Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Tiroteio no Texas: Todas as vítimas estavam na mesma sala, diz polícia

As duas vítimas adultas eram professoras da quarta série e trabalhavam na sala invadidade pelo atirador

Por Da Redação Atualizado em 25 Maio 2022, 16h02 - Publicado em 25 Maio 2022, 14h17

As 19 crianças e dois professores mortos na última terça-feira 24, no ataque a tiro em uma escola em Uvalde, no Texas, estavam dentro de uma mesma sala de aula, disseram as autoridades locais. Além das vítimas, várias outras crianças também ficaram feridas.

De acordo com o porta-voz do Departamento de Segurança Pública do estado, Chris Olivarez, os policiais precisaram quebrar as janelas do prédio para evacuar as crianças em segurança antes de entrar na sala e matar Salvador Ramos, de 18 anos, que estava atrás de uma barricada improvisada.

+ Ataque a tiros no Texas mata ao menos 19 crianças e 2 adultos

O crime de Ramos teve início ainda em sua casa, quando atirou em sua avó antes de dirigir até a Robb Elementary School. Após bater seu carro, ele entrou no prédio utilizando equipamento tático e carregando um rifle. A avó do jovem está em estado crítico e os investigadores esperam que ela possa dar maiores esclarecimentos sobre a motivação do crime. 

O ataque ocorreu apenas dez dias depois que um autodeclarado supremacista branco entrou em um supermercado em um bairro majoritariamente negro de Buffalo, Nova York, e atirou contra 13 pessoas. A onda de violência levou o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, a pedir por leis mais severas sobre o porte de armas no país. 

O líder da Casa Branca declarou que é “hora de transformar essa dor em ação”. Para Biden, “é simplesmente doentio” que tantos tipos de armas estejam facilmente disponíveis para quase qualquer americano comprar. 

“Por quê? Por que estamos dispostos a viver com essa carnificina? Por que continuamos deixando isso acontecer?”, indagou.

O discurso ocorreu menos de duas horas depois de Biden retornar de uma turnê de cinco dias pela Ásia. Segundo ele, nenhum outro país tem o mesmo problema com tiroteios em massa.

Falando por experiência própria, ele acrescentou: “Perder um filho é como ter um pedaço de sua alma arrancado”. Ele não mencionou a perda de seu filho Beau de câncer ou a morte de sua primeira esposa e filha em um acidente de carro.

No discurso, o presidente atacou diretamente os fabricantes de armas e seus representantes em Washington, instando os políticos a enfrentá-los.

Continua após a publicidade

No entanto, ele não fez propostas específicas de controle de armas, nem pediu ao Congresso que submetesse a legislação imediatamente a votação. O debate sobre o controle de armas tem sido uma das questões mais polarizadoras do país por mais de uma década.

+ Biden ataca fabricantes de armas após tiroteio em escola no Texas

O ataque no Texas é o tiroteio em escola mais mortal dos Estados Unidos desde que um atirador matou 26 pessoas, incluindo 20 crianças, em uma escola no Connecticut, em 2012. A comunidade de Uvalde, local do crime, tem cerca de 16.000 habitantes, com quase 80% deles sendo hispânicos ou latinos.

Membros do partido democrata em Washington renovaram os apelos por uma maior legislação a respeito do porte de armas no país. O senador Chris Murphy, de Connecticut, um dos principais defensores da ideia, disse “simplesmente não entender por que as pessoas pensam que somos impotentes”.

“As armas neste país circulam como água. E é por isso que temos tiroteios em massa um atrás do outro”, disse a repórteres. 

A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, controlada atualmente pelos democratas, aprovou no ano passado dois projetos de lei que ampliam a verificação de antecedentes sobre compras de armas de fogo, incluindo o fechamento de uma brecha que isenta as vendas online e privadas. Mas a legislação não avançou no Senado, onde são necessários pelo menos 10 votos republicanos.

Na esteira do acontecimento, duas autoridades do Texas eleitas pelo partido republicano pediram um reforço de segurança nas escolas do estado e o armamento de professores, medidas amplamente criticadas pela oposição. 

“A realidade é que não iremos conseguir aplicar essas leis em todas as escolas. Nada vai funcionar perfeitamente”, disse o procurador-geral do Texas à rede Fox News. 

+ Estados Unidos: em memória de mais um massacre

O tiroteio acontece dias antes de a National Rifle Association (NRA), principal grupo de lobby da indústria armamentista do país, realizar sua reunião anual em Houston, onde era esperado que vários republicanos do estado, incluindo o governador Greg Abbott, fizessem discursos aos participantes. 

A organização sem fins lucrativos Gun Violence Archive, que rastreia tiroteios em massa (em que quatro ou mais pessoas foram mortas ou feridas), contabilizou mais de 200 incidentes até agora neste ano.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)