Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Theresa May será a nova primeira-ministra do Reino Unido

A outra concorrente ao cargo de David Cameron, Andrea Leadsom, desistiu da corrida por considerar que não teria apoio necessário para governar

Por Da Redação - 11 jul 2016, 08h48

A ministra do Interior britânica Theresa May irá assumir o cargo de premiê do Reino Unido e líder do Partido Conservador, após Andrea Leadsom, a outra finalista na disputa, desistir da competição pelo posto de David Cameron, nesta segunda-feira.

De acordo com Graham Brady, chefe do comitê 1922, responsável por organizar a escolha do novo representante, um anúncio formal será feito “em breve” para oficializar May como a próxima líder conservadora e, consequentemente, chefe de governo britânica. Na manhã de hoje, Brady não negou que o Reino Unido poderá ter uma nova premiê ainda nesta semana, mas preferiu deixar prazos em aberto. O comitê irá discutir os próximos passos para a substituição e, assim que possível, anunciar quando May pode assumir o cargo.

Leadsom declarou que desistiria da corrida em coletiva de imprensa hoje cedo, por acreditar que “o Reino Unido precisa um primeiro-ministro assim que possível”, o que ajudará a estabilizar a situação política e econômica do país. Além disso, secretária de Estado de Energia declarou apoio total à May e afirmou que acredita que ela é pessoa ideal para conduzir a saída britânica da União Europeia.

Leia também:

Publicidade

Theresa May e Andrea Leadsom disputam cargo de premiê do Reino Unido

Partido Conservador escolhe finalistas para sucessão de Cameron

Theresa May vence primeira rodada de votação para novo premiê britânico

Na votação entre os deputados conservadores na última quinta-feira, que definiu as finalistas para o cargo, Leadsom teve o apoio de 84 representantes do partido, enquanto May alcançou 199 votos. Ao deixar a competição, Leadsom afirmou que, apesar de agradecer a escolha dos colegas, considera que “não seria suficiente para conduzir um governo forte e estável” caso vencesse a eleição final, marcada para setembro.

Publicidade

Leadsom estava sob pressão desde que entrou na corrida devido a sua relativa inexperiência política. Apoiadora ferrenha do Brexit, ela era praticamente desconhecida antes de aparecer como uma das figuras importantes da campanha. Além disso, na sexta-feira, fez uma declaração polêmica quando sugeriu que seria uma candidata melhor do que May para o cargo por ser mãe, o que a levou pedir desculpas à rival.

Já May, de 59 anos, está na chefia do Ministério do Interior desde 2010 e tem amplo apoio interno no Partido Conservador. Apesar de se declarar a favor da permanência na UE durante o referendo, pouco se manifestou durante a campanha. Ela adotou uma postura linha dura contra a imigração dentro do governo Cameron e, por isso, obteve votos mesmo entre aqueles que defenderam o Brexit.

(Da redação)

Publicidade