Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Texas e mais nove estados abrem processo contra o Google

No total, dez estados americanos acusam a empresa de anticompetitividade devido ao alegado monopólio de publicidade virtual

Por Da Redação Atualizado em 17 dez 2020, 11h51 - Publicado em 16 dez 2020, 17h56

O Texas e outros nove estados americanos abriram nesta quarta-feira, 16, um processo contra o Google por violar leis de concorrência em relação à publicidade online.

O procurador-geral texano, o republicano Ken Paxton, acusou a empresa de extinguir a concorrência para obter mais lucros com anúncios na internet.

“O Google repetidamente usou seu poder monopolista para controlar os preços e se envolver em conluios de mercado para fraudar leilões em uma tremenda violação da justiça”, disse Paxton em um vídeo publicado no Facebook. O gigante da tecnologia “eliminou sua concorrência, coroando-se rei da publicidade online. Isso prejudica todas as pessoas no país”, acrescentou.

O procurador faz parte do time do Departamento de Justiça dos Estados Unidos contra o Google desde outubro, quando o governo alegou que a empresa violou as leis federais de livre concorrência ao tentar garantir que sua ferramenta de busca na internet seja definida como padrão em inúmeros dispositivos e serviços.

O processo que Paxton anunciou nesta quarta-feira é o quarto de uma série de ações judiciais federais e estaduais com o objetivo de conter o suposto mau comportamento das Big Techs, plataformas de tecnologia que tornaram-se gigantes nas últimas duas décadas.

Os nove estados que aderiram ao Texas são Arkansas, Indiana, Kentucky, Missouri, Mississippi, Dakota do Sul, Dakota do Norte, Utah e Idaho.

Continua após a publicidade

Em comunicado, o Google afirmou que as alegações de Paxton “não têm fundamento”, e que ele iniciou o processo mesmo com “todos os fatos contrários”. A empresa afirma que seus investimentos em tecnologia de publicidade beneficiam tanto empresas quanto os consumidores.

“Os preços dos anúncios digitais caíram na última década. As taxas cobradas por esses serviços de tecnologia de publicidade também estão caindo e os valores dos serviços do Google são menores do que a média da indústria. Esses são sinais de uma indústria altamente competitiva”, declarou um porta-voz do Google em comunicado.

A medida causou ligeiras quedas nas ações da Alphabet, empresa-mãe do Google. Na tarde desta quarta-feira, elas sofreram desvalorização de 0,5%.

O escrutínio intensificado sobre as Big Techs é uma mudança dramática. Desde 2013, quando procuradores federais retiraram acusações de violações antitruste contra o Google, reguladores dos Estados Unidos tornaram-se cada vez mais céticos em relação ao Vale do Silício. Aumentou a intensidade da fiscalização: além do gigante de buscas, o Facebook foi processado duas vezes na semana passada.

A Federal Trade Commission (FTC) e uma liga de 48 procuradores-gerais estaduais miram o Instagram e o Whatsapp, afirmando que as aquisições das empresas fizeram parte de uma estratégia do Facebook para eliminar ameaças a seu monopólio.

O processo pode resultar na alienação de ambas as redes sociais. Além disso, a agência vai tentar proibir o Facebook de impor condições anticompetitivas contra desenvolvedores de software de terceiros.

Continua após a publicidade
Publicidade