Clique e assine a partir de 9,90/mês

Terroristas filmaram degola de padre francês, diz freira

A irmã Danielle foi uma das reféns no ataque à igreja e conseguiu fugir para pedir ajuda, após dois terroristas degolarem o padre

Por Da redação - Atualizado em 26 jul 2016, 17h25 - Publicado em 26 jul 2016, 14h38

A freira que conseguiu fugir de uma igreja católica em Saint-Étienne-du-Rouvray, na França, onde dois homens haviam feito reféns contou que os terroristas obrigaram o padre a se ajoelhar e o degolaram enquanto filmavam o crime. Os homens falavam árabe e declararam agir em nome do Estado Islâmico (EI), de acordo com irmã Danielle.

Em entrevista à emissora de rádio RMC, a freira explicou que os assassinos ordenaram ao padre, às duas irmãs e aos dois fiéis que estavam dentro da igreja para ficarem juntos. Apesar das súplicas dos reféns para que não cometessem o assassinato, eles não hesitaram em nenhum momento.

Os homens forçaram o sacerdote Jacques Hamel, de 86 anos, a se ajoelhar e quando este tentou se defender, “começou o drama”, segundo a freira. “Gravaram em vídeo. Fizeram uma espécie de sermão em árabe em torno do altar. Foi horroroso”, contou Danielle.

Leia também:
Padre é morto em sequestro em igreja na França
Autor de explosão na Alemanha era sírio que teve asilo negado
Autor de matança em Munique preparou ataque por um ano

A irmã, que era uma das reféns, conseguiu fugir no momento em que os terroristas atacaram o sacerdote e pediu socorro a uma pessoa que passava de carro pela rua da igreja.

Continua após a publicidade

Os dois responsáveis pelo crime foram mortos pela polícia francesa ao saírem da igreja, pouco antes 11h da manhã (6h no horário de Brasília) desta terça-feira. Além de Hamel, um dos reféns ficou gravemente ferido e está “entre a vida e a morte”, segundo fontes policiais.

Um dos criminosos, que já “era fichado pelos serviços antiterroristas”, foi identificado como Adel Kermiche, de 19 anos, nascido na França. Ele tentou viajar à Síria em 2015 e, ao voltar à França através da Turquia, foi colocado em prisão preventiva, acusado de associação a uma organização terrorista. O homem foi libertado com a condição de usar uma pulseira eletrônica.

(Com EFE e AFP)

Publicidade