Clique e assine a partir de 8,90/mês

Terroristas do Boko Haram juram lealdade ao Estado Islâmico

Grupo terrorista confirma rumores de que está estreitando laços com organizações fora da Nigéria

Por Grupo terrorista confirma rumores de que estaria estreitando laç - 7 mar 2015, 20h53

O líder do grupo terrorista Boko Haram, Abubakar Shekau, anunciou neste sábado a adesão formal ao Estado Islâmico (EI), que controla regiões do Iraque e da Síria. O terrorista jurou lealdade incondicional a Abu Bakr al-Baghdadi, segundo um vídeo divulgado nas redes sociais.

Leia também:

Estado Islâmico arrasa patrimônio histórico de Hatra

Atentado a bomba no Egito deixa dois mortos e 15 feridos

“Juramos lealdade ao califa dos muçulmanos, Abu Bakr al-Baghdadi, e vamos escutar e obedecer tanto em tempos de prosperidade como em tempos de dificuldade”, diz Shekau na mensagem.

Continua após a publicidade

O anúncio acontece em meio a uma campanha militar, liderada pelo Chade e pela própria Nigéria, cujo principal objetivo é reconquistar as cidades que estão sob controle dos terroristas e assim garantir a segurança para as eleições presidenciais do próximo dia 28 de março.

Em outro dos fragmentos do vídeo, Shekau faz referência a Ibn Taymiyyah, um teólogo do século XIII que tem grande influência na ideologia do grupo e que acreditava que a religião tem o dever de governar o povo.

Com esta mensagem, o Boko Haram confirma os rumores de que estava estreitando laços com organizações fora da Nigéria, uma possibilidade que esteve presente desde a fundação do grupo terrorista.

No entanto, ainda não houve uma resposta formal do Estado Islâmico e é uma incógnita saber como reagirá Baghdadi, que até agora não demonstrou interesse na luta do Boko Haram para criar um califado islâmico no nordeste da Nigéria.

Neste sábado, o Boko Haram matou 58 pessoas em três atentados cometidos contra dois mercados e uma estação de ônibus na cidade de Maiduguri, capital do estado de Borno, uma das mais afetadas pela violência do grupo islamita.

(Com Agência EFE e Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade