Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Terrorista de Boston alega inocência em primeira audiência

Dzhokhar Tsarnaev apareceu em público pela primeira vez desde a sua prisão. Ele negou sua participação em todas as acusações citadas pelo juiz

Por Da Redação 10 jul 2013, 17h07

O terrorista Dzhokhar Tsarnaev, um dos autores do atentado em Boston, no dia 15 de abril, alegou inocência de todas as acusações em sua primeira audiência. O jovem de 19 anos rejeitou a sua participação em todas as acusações formalizadas nesta quarta-feira. A promotoria também se pronunciou e disse que pretende chamar de 80 a 100 testemunhas durante o julgamento. O caso será retomado em 23 de setembro e poderá durar meses.

Dzhokhar enfrenta 30 acusações na esfera federal relacionadas à explosão de duas bombas – feitas com panelas de pressão, pregos e rolamentos – perto da linha de chegada da maratona. Dessas acusações, 19 podem resultar em pena de morte se ele for considerado culpado. O ataque deixou três mortos, incluindo um menino de oito anos. Mais de 260 pessoas ficaram feridas – muitas vítimas tiveram membros amputados. Uma quarta morte que faz parte do processo é a de um policial atingido durante uma troca de tiros com Dzhokhar e seu irmão mais velho, Tamerlan, o outro autor do ataque, que morreu depois do tiroteio. O mais jovem dos irmãos Tsarnaev foi capturado quatro dias depois do atentado, em uma caçada organizada pela polícia em Watertown, nos arredores de Boston. Os dois têm origem chechena.

Leia também:

Ataque em Londres lembra ação de irmãos em Boston

Os terroristas da maratona de Boston foram considerados “lobos solitários”, expressão usada para designar militantes que não pertencem a organizações terroristas e agem por conta própria. Contudo, assim como os dois homens que destroçaram um soldado britânico em Londres, Dzhokhar e Tamerlan tinham ligações com radicais dentro e fora de seu país de residência. E agiram motivados por crenças islâmicas.

Continua após a publicidade

Dzhokhar tinha uma cicatriz do lado esquerdo do rosto e estava com o braço esquerdo engessado, mas com aspecto saudável, segundo informação do jornal The Boston Globe. Ele ficou sentado entre suas advogadas de defesa, Judy Clarke e Miriam Conrad, e olhou várias vezes para duas jovens que seriam suas irmãs, segundo a rede britânica BBC. Uma delas chorou durante a rápida audiência, que durou apenas sete minutos. A outra levava um bebê.

Leia mais:

Leia mais: Última vítima do atentado de Boston deixa hospital

Uma fila foi formada logo cedo diante do tribunal por pessoas que queriam acompanhar a audiência. O público incluía sobreviventes e familiares das vítimas, além de autoridades. John DiFava, chefe da polícia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, onde o policial foi morto na troca de tiros, disse que Dzhokhar “não vale uma lágrima”, segundo o Boston Globe.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade