Clique e assine com até 92% de desconto

Terremoto na Malásia deixa um morto e centenas de alpinistas isolados no monte Kinabalu

Os alpinistas não podem descer r porque há muitas rochas caindo e ainda há tremores. A montanha tem 4.095 metros de altitude e fica no extremo norte do país asiático

Por Da Redação 5 jun 2015, 07h52

Pelo menos uma alpinista morreu e outras duas ficaram feridas nesta sexta-feira no monte Kinabalu, no extremo norte da Malásia, onde um terremoto de magnitude 6 na escala Richter sacudiu a região quando cerca de 200 pessoas escalavam a montanha. O médico Rezlan Abdul Raham, que estava no local, comunicou às autoridades que tentou socorrer a alpinista que se acidentou no tremor, mas ela já estava morta, segundo o jornal local The Star. As autoridades malaias estão neste momento realizando operações para resgatar as mais de 100 pessoas que ficaram ilhadas no Kinabalu, que está situado na província de Sabah, no nordeste da ilha de Bornéu. O monte tem 4.095 metros de altitude e todas as atividades de escalada foram suspensas em toda a região

De acordo com Raham, um grupo que descia da montanha encontrou uma mulher caída no chão e verificou seus sinais vitais, mas ela já estava sem pulsação. Este mesmo grupo também se deparou com outras duas escaladoras feridas. O tremor, que durou cerca de um minuto, causou deslizamentos de rochas, avalanches e a queda de dois pequenos montes batizados como ‘orelhas de burro’, onde a prática de escalada é recorrente, confirmou Masidi Manjun, ministro do Turismo da Malásia, através do Twitter.

Leia também

Forte terremoto atinge o Japão; não há registro de vítimas

Prédios históricos do Nepal correm risco de demolição após terremotos

Vídeos mostram destruição e desespero durante terremoto

A alpinista Charlene Dmp, que está ilhada no monte, publicou no Facebook que se encontra esperando, junto de dezenas de pessoas, pelos helicópteros de resgate. “Não podemos descer porque há muitas rochas caindo. Não é seguro descer porque ainda há tremores”, comentou Charlene, que também publicou várias fotografias. O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, sigla em inglês), que monitora a atividade sísmica no mundo todo, situou o epicentro a dez quilômetros de profundidade em uma região a dezenove quilômetros da cidade malaia de Ranau.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade