Clique e assine com até 92% de desconto

Tensão marca 59º aniversário do fim da Guerra da Coreia

Data passa em branco no Sul, enquanto no Norte há celebração de 'vitória'

Por Da Redação 27 jul 2012, 01h35

O armistício que pôs fim à Guerra da Coreia (1950-53) completa nesta sexta-feira seu 59º aniversário com uma persistente tensão entre Norte e Sul, cujas relações se encontram em um dos momentos mais complicados da última década. As duas partes sequer entram em acordo na hora de lembrar a data, que a Coreia do Sul deixou passar despercebida enquanto o regime do Norte a celebra em grande estilo.

“O governo não deve realizar cerimônia alguma pelo aniversário”, disse nesta sexta-feira um porta-voz do Ministério da Unificação de Seul. Por outro lado, o representante sul-coreano assegurou que ‘estaremos atentos às celebrações na Coreia do Norte’. Na capital norte-coreana, Pyongyang, as autoridades do regime receberam veteranos de guerra procedentes de diferentes localidades por ocasião das celebrações do aniversário, segundo a agência estatal KCNA.

Aproveitando a ocasião, a agência publicou nesta semana um relatório intitulado ‘A história da grande vitória na guerra contra o imperialismo dos EUA é eterna’, no qual, em tom propagandístico, lembra as ‘façanhas’ do ‘generalíssimo’ Kim Il-sung, fundador do país e avô do atual líder.

Tensão – Neste ano, as duas Coreias protagonizaram diversos atritos, o mais recente deles iniciado depois que o regime de Kim Jong-un acusou Coreia do Sul e Estados Unidos de terem infiltrado dissidentes no país comunista para derrubar estátuas de seus venerados líderes.

A Guerra da Coreia, que pôs frente a frente o Norte comunista – apoiado pela China e a então URSS – e o Sul capitalista – assistido pelos EUA e as forças da ONU -, chegou ao fim há 59 anos com um ‘empate técnico’, uma vez que a fronteira entre as duas nações ficou traçada praticamente no mesmo lugar em que estava no início.

O conflito armado de três anos, o primeiro da Guerra Fria e um dos mais sangrentos da história, arrasou cidades inteiras da península coreana e deixou cerca de 2,5 milhões de mortos, segundo estimativas do Ministério da Defesa sul-coreano.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade