Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Tempo bom no Mediterrâneo faz Itália temer novas imigrações

As saídas dos imigrantes de Líbia acontecem mais quando o mar está calmo e o vento do sul empurra as precárias embarcações para as águas internacionais

A Guarda Costeira da Itália, que coordenou na segunda-feira o resgate de 6.500 imigrantes diante da costa da Líbia, teme um novo fluxo na região do Mediterrâneo. “Ontem e hoje estivemos particularmente ocupados”, declarou nesta terça um porta-voz da Guarda Costeira italiana. Ele disse que as condições meteorológicas favoráveis — mar calmo, calor e céu aberto — podem proporcionar um novo fluxo.

As saídas dos imigrantes de Líbia acontecem em ondas, com uma concentração das operações quando o mar está calmo e o vento do sul empurra as precárias embarcações para as águas internacionais. O fenômeno ganhou força em 2016: a Guarda Costeira superou várias vezes a barreira das 30 operações de resgate coordenadas em apenas um dia. Mais de 13.000 pessoas foram resgatadas em menos de uma semana no fim de maio, 8.300 em cinco dias no início de agosto.

Leia também
Guarda costeira italiana resgata 6.500 emigrantes no Mediterrâneo
EUA cumprem meta de acolher 10 mil refugiados sírios este ano
Hungria anuncia construção de novo muro para evitar refugiados

Na segunda-feira, os navios da Guarda Costeira e da Marinha italiana, da operação europeia de combate ao tráfico Sophia, da agência europeia Frontex, da Marinha irlandesa e das organizações humanitárias trabalharam para socorrer os ocupantes de 40 embarcações precárias.

A organização catalã Proactiva Open Arms divulgou em sua conta do Twitter imagens do resgate de um barco de pesca filmadas por um jornalista a bordo do navio. Nelas é possível ver centenas de pessoas em pânico, muitas das quais se jogam na água depois de receber coletes salva-vidas.

Bebês e crianças — A ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) anunciou em sua conta do Twitter que seu navio humanitário Dignity havia participado com a Proactiva Open Arms no resgate de centenas de imigrantes a bordo de 15 botes infláveis e um barco de pesca. Entre eles estavam muitos bebês e crianças, incluindo um bebê de cinco dias doente, que precisou ser levado de helicóptero a um hospital italiano.

Apesar dos milhares de resgates, este mês de agosto foi levemente mais tranquilo em comparação com os dos anos anteriores. O último balanço do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur), do fim de semana, informava sobre a chegada de 105.000 pessoas. Com as operações de domingo e de segunda-feira, ele deve alcançar mais de 112.500, contra os 116.000 registrados no mesmo período do ano passado.

(Com agência France-Presse)