Clique e assine com até 92% de desconto

Talibãs realizam uma onda de ataques coordenados no Afeganistão

Por Por Mushtaq Mojaddidi 15 abr 2012, 15h28

Os talibãs iniciaram neste domingo uma “ofensiva de primavera” no Afeganistão com seis ataques coordenados, três deles em Cabul contra o parlamento, um vice-presidente e várias embaixadas.

As embaixadas dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha, da Alemanha e do Japão foram atacadas, e, segundo o ministério do Interior, um total de 19 insurgentes morreram nos ataques no país, enquanto 14 policiais e 9 civis ficaram feridos.

Fora da capital, os atacantes investiram contra prédios do governo na província de Logar, contra o aeroporto em Jalalabad e uma academia de polícia na cidade de Gardez, na província de Paktya.

O presidente Hamid Karzai foi transferido para um local seguro e seu palácio foi fechado diante dos ataques, que incluiu um atentado frustrado contra um de seus vice-presidentes, informaram autoridades.

Segundo Lutfula Mashal, porta-voz da Direção Nacional de Segurança (DNS), o grupo responsável por atacar a residência de Jalili foi interceptado e capturado antes de atingir seu objetivo.

Os atacantes reivindicaram ser ligados à rede Haqqani, um ramo extremista do grupo talibã acusado de planejar a maioria dos ataques de alto perfil em Cabul e conhecido por ter ligações estreitas com a Al-Qaeda.

Um porta-voz do grupo talibã afirmou que os ataques marcavam o início de sua ofensiva anual de primavera, que anuncia a temporada de combate, acrescentando que muitos homens-bomba suicidas estão envolvidos na operação.

“O governo de Cabul e as forças invasoras afirmaram há algum tempo que o talibã não seria capaz de lançar uma ofensiva na primavera. Os ataques de hoje foram o início da nossa ofensiva de primavera”, disse Zabihullah Mujahed por telefone de um local indeterminado.

O rigoroso inverno boreal (hemisfério norte) afegão é um período de repouso para os talibãs, cuja guerrilha ganha intensidade e se estende para todo o país no início da primavera, quando o degelo libera as passagens montanhosas da fronteira com o Paquistão.

A Otan tem cerca de 130 mil tropas apoiando o governo do presidente Hamid Karzai contra a insurgência talibã, mas eles vão se retirar até o final de 2014, transferindo o controle da segurança para as forças afegãs.

Um porta-voz da Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), da Otan, afirmou à AFP que as forças afegãs, cuja capacidade de resistir aos talibãs após 2014 foi questionada, estavam assumindo a liderança na contenção dos ataques em Cabul.

O embaixador americano em Cabul, Ryan Crocker, disse, por sua vez, que a capacidade das forças afegãs para responder aos ataques são um “claro sinal de avanço”.

“Vimos uma desempenho muito profissional por parte das forças de segurança afegãs”, disse Crocker à rede CNN neste domingo.

As forças afegãs “são capazes de enfrentar atos como estes por sua conta. Um claro sinal de avanço”, afirmou o diplomata.

Continua após a publicidade

Mas o mais recente de uma série de ataques espetaculares mostra que os militantes ainda têm a capacidade de atingir o coração da capital e elevar os temores pela precária situação de segurança, num momento em que a retirada das tropas da Otan se aproxima.

Em setembro do ano passado, ataques talibãs tendo como alvo locais incluindo a embaixada dos Estados Unidos e a sede das tropas estrangeiras em Cabul matou ao menos 14 pessoas durante um cerco de 19 horas. E em agosto nove pessoas morreram quando homens-bomba atacaram o centro cultural do British Council.

Neste domingo, vários atacantes tentaram entrar no parlamento afegão, mas foram bloqueados pelas forças de segurança e recuaram, informou o parlamentar Qudratullah Jawid à AFP.

O parlamentar Mohammad Naeem Lalai disse, por sua vez, que os parlamentares se uniram às forças de segurança para disparar contra os militantes enquanto eles tentavam invadir o parlamento, que estava em sessão.

Ao menos dois atacantes foram mortos, informou o porta-voz do ministério do Interior Sediq Sediqqi, enquanto militantes atacavam diversas áreas da cidade.

“Perto do parlamento, o primeiro andar de um prédio vizinho foi tomado pela polícia e um terrorista está morto”, disse o chefe da polícia em Cabul, Mohammad Ayoubi Salangi.

Em outras duas áreas da cidade, militantes tomaram posições em edifícios altos e disparavam, afirmou.

A principal área sob ataque era próxima às embaixadas dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Alemanha e Irã, assim como aos escritórios das Nações Unidas, da UNAMA da Otan, e ao acampamento Eggers, gerido pela Isaf, na entrada do palácio presidencial.

“Confirmamos ataques nas embaixadas dos Estados Unidos, da Alemanha e da Grã-Bretanha, e há informações anteriores de ataques na embaixada da Rússia”, disse o general Carsten Jacobson à rede de televisão Al-Jazeera.

A agência de notícias japonesa Kyodo afirmou que três foguetes caíram na embaixada japonesa, mas ninguém foi ferido e os funcionários foram evacuados para um abrigo anti-aéreo.

Um porta-voz da polícia disse que as áreas sob ataque eram o enclave diplomático de Wazir Akbar Khan, no centro, o parlamento, no oeste, e o Distrito Nove, no sul, onde há muitas bases militares estrangeiras.

Na província de Logar, no sul de Cabul, muitos atacantes suicidas entraram em prédios do governo, incluindo os escritórios do governador provincial, o quartel-general da polícia e a base dos Estados Unidos, informou o vice-chefe policial da província, Raees Khan, à AFP.

No leste do Afeganistão, três homens-bomba se explodiram nos portões do aeroporto de Jalalabad, ferindo diversas pessoas.

Em Gardez, na província de Paktya, múltiplos atiradores talibãs – supostamente armados com coletes suicidas – lançaram um ataque contra um centro de treinamento da polícia, informou Rohullah Samoon, porta-voz da província, à AFP. Pelo menos quatro civis ficaram feridos neste ataque, segundo a polícia local.

No fim da tarde ainda se ouviam, de forma intermitente, disparos e explosões no centro de Cabul, constaram jornalistas da AFP no bairro das embaixadas.

Continua após a publicidade
Publicidade