Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Talibã: Malala foi atacada porque faz campanha difamatória

Em carta, grupo fundamentalista tenta justificar o injustificável para chamar a atenção depois de discurso proferido pela jovem paquistanesa na ONU

Os bárbaros do Talibã decidiram recorrer à escrita para chamar a atenção e tentar defender o indefensável: a tentativa de assassinato contra a jovem Malala Yousafzai, em outubro do ano passado. Ela foi a destinatária de uma carta atribuída ao grupo fundamentalista que afirma que o atentado não foi uma reação à sua defesa ao acesso de todas as meninas paquistanesas à educação, mas sim à “campanha difamatória” que realiza contra os talibãs. A carta é divulgada dias depois de Malala proferir um discurso nas Nações Unidas no qual ela fez um emocionado apelo pelo direito à educação. “Vamos pegar nossos livros e canetas, eles são as nossas armas mais poderosas”, disse a garota na Assembleia de Jovens da ONU, no dia de seu aniversário de 16 anos.

Leia também:

Leia também: Malala diz que ganhou uma segunda vida após ataque

Ela foi atingida por tiros no Vale do Swat, quando voltava da escola em um ônibus escolar. Gravemente ferida na cabeça, recebeu tratamento na Grã-Bretanha e recebeu alta três meses depois do ataque. Depois do longo período de internação, ela passou a morar em Birmingham.

“O Talibã acredita que você está fazendo uma campanha para difamar o esforço de estabelecer um sistema islâmico no Vale do Swat, e suas mensagens são provocativas”, diz o texto, segundo a rede americana CNN. A correspondência foi assinada por Adnan Rashid, condenado à prisão perpétua em 2003 por sua participação na tentativa de assassinado do ex-presidente Pervez Musharraf. No ano passado, militantes talibãs invadiram a prisão em Bannu, em uma operação que permitiu a fuga de centenas de presos, incluindo Rashid. No texto, ele pede à garota que volte ao Paquistão e “use sua caneta a favor do Islã e da comunidade muçulmana”. Afirma ainda que o Talibã apoia a educação de meninas, desde que siga a lei islâmica.

O ex-primeiro-ministro britânico Gordon Brown, que agora atua como enviado especial da ONU para educação global, considerou que Malala colocou os Talibãs na defensiva: “É por isso que eles estão divulgando esse texto agora”. “Ninguém vai acreditar em uma palavra do que o Talibã diz sobre o direito de meninas como Malala estudarem até que eles parem de incendiar escolas e massacrar alunos”, acrescentou.

Atentados – As mais recentes pressões do grupo fundamentalista contra a educação de meninas no Paquistão, aponta a CNN, incluem o assassinato de uma professora que estava a caminho da escola onde trabalhava, a morte de um diretor em um ataque a bomba em outra escola – atentado que deixou vários estudantes gravemente feridos – e um ataque suicida em um ônibus que levava 40 alunas para uma instituição de ensino – 14 morreram.