Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Talibã condena atentado ‘em áreas onde forças americanas são responsáveis’

Estima-se que 60 afegãos tenham morrido e outros 150 tenham ficado feridos em ataque reivindicado pelo Estado Islâmico

Por Da Redação Atualizado em 26 ago 2021, 19h45 - Publicado em 26 ago 2021, 19h39

O grupo islâmico Talibã condenou o atentado realizado nesta quinta-feira, 26, nos arredores do aeroporto de Cabul , em uma área em que disse estar sob controle do Exército dos Estados Unidos.

“O Emirado Islâmico condena veementemente o ataque a bomba contra civis no aeroporto de Cabul”, diz um comunicado divulgado pelo porta-voz do grupo, Zabihullah Mujahid, em publicação no Twitter. “A explosão aconteceu em uma área onde forças dos EUA são responsáveis pela segurança”. 

Ao menos 12 soldados americanos morreram e outros 15 ficaram feridos nas duas explosões, segundo o general Kenneth McKenzie, chefe do Comando Central dos Estados Unidos. Entre afegãos estima-se que 60 civis tenham morrido e outros 150 tenham ficado feridos, e muitas das vítimas faziam parte da multidão que tenta embarcar nos voos internacionais de evacuação após o movimento Talibã assumir o poder no país. 

Em discurso concedido na Casa Branca, o presidente americano, Joe Biden, chamou de “heróis” os militares mortos e feridos durante o ataque. Em seguida, o democrata deu um aviso aos responsáveis: “Vamos caçá-los e fazê-los pagar”.

Continua após a publicidade

De acordo com McKenzie, informações iniciais indicam que o ataque teria sido realizado pela ramificação afegã do Estado Islâmico, o chamado Estado Islâmico-Khorasan, inimigo comum de Washington e do Talibã. O grupo reivindicou autoria do ataque nesta quinta-feira.

Segundo o general, as Forças Armadas americanas estão compartilhando informações com o Talibã para evitar novos atentados nos arredores do aeroporto, à medida que ambos compartilham “um objetivo comum” na missão de evacuação, programada para ser encerrada em 31 de agosto.

“Eles (os talibãs) têm uma razão prática para nos quererem fora até 31 de agosto. Eles querem retomar o controle do aeroporto. Também queremos partir até essa data, se for possível. Portanto, compartilhamos um objetivo em comum”, justificou.

A primeira explosão aconteceu em um dos portões do aeroporto e a segunda nas proximidades de um hotel localizado a menos de 2 km do terminal.  Mais cedo nesta quinta, representantes dos governos dos Estados Unidos, Austrália e Reino Unido já haviam alertado seus cidadãos em Cabul para uma “ameaça iminente” de ataque no aeroporto. Os países pediram que todos evitassem o terminal ou áreas próximas e procurassem “um local seguro”.

Continua após a publicidade

Publicidade