Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Suspeito de atentados em Bruxelas é liberado por falta de provas

Por Da Redação
28 mar 2016, 12h36

O único suspeito detido pelos atentados de Bruxelas, Fayçal Cheffou, foi liberado nesta segunda-feira por falta de provas contra ele, informou um breve comunicado da procuradoria belga. “Os indícios que levaram à prisão da pessoa chamada Fayçal C. não foram sustentados pela evolução da investigação. Em consequência, o afetado foi posto em liberdade pelo juiz de instrução”, assinalou o Ministério Público, sem mais detalhes.

O episódio representa mais um fracasso dos investigadores belgas, que vêm sendo criticados pela população e até mesmo por parceiros europeus, como a França. A Bélgica deteve, interrogou e posteriormente liberou o terrorista Salah Abdeslam aproximadamente seis meses antes de ele participar dos atentados de 13 de novembro em Paris. Depois, a polícia demorou quatro meses para recapturá-lo – e Abdeslam esteve nesse tempo todo em Molenbeek, subúrbio de Bruxelas.

Leia também

Número vítimas em atentados de Bruxelas sobe para 35

Continua após a publicidade

Bélgica identifica 28 das 31 vítimas de atentados em aeroporto e metrô

Investigadores não questionaram terrorista preso sobre ataques iminentes em Bruxelas

Seis pessoas foram acusadas na Bélgica pelos ataques de terça-feira no aeroporto e em uma estação de metrô. O saldo de mortes subiu para 35 nesta segunda, excluindo os dois homens-bomba do aeroporto e um terceiro que se explodiu em um trem de metrô na hora do rush. Uma caçada por suspeitos em toda a Europa revelou ligações com a rede que realizou o atentado de Paris em novembro passado, e também frustrou um novo ataque em potencial na França na semana passada, disseram autoridades – mas há relatos de que vários suspeitos continuam à solta.

Continua após a publicidade

O Estado Islâmico assumiu tanto os atentados de Paris quanto os de Bruxelas, que expuseram fragilidades dos serviços de inteligência da Bélgica, onde alguns dos agressores de Paris moravam, assim como a cooperação insuficiente entre os serviços de segurança europeus.

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.