Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Suspeita de fraude faz OEA pedir novas eleições em Honduras

O atual presidente Juan Orlando Hernández venceu o adversário com 1,53% de diferença; desde as eleições, diversos protestos tomaram as ruas do país

Por Da redação 18 dez 2017, 12h14

A Organização dos Estados Americanos (OEA) propôs no último domingo a realização de novas eleições presidenciais em Honduras depois que o tribunal eleitoral do país oficializou a vitória do atual presidente Juan Orlando Hernández na votação de 26 de novembro. Segundo o secretário-geral da OEA, Luís Almagro, o processo eleitoral hondurenho não foi democrático.

Hernández, candidato do Partido Nacional (PN) de centro-direita, venceu por 42,95% dos votos contra 41,42% do adversário da Aliança de Oposição contra Ditadura e famoso apresentador de programa do país, Salvador Nasralla.

Inicialmente, o Tribunal Superior Eleitoral anunciou a liderança de Nasralla com metade dos votos apurados. Após 36 horas sem novos anúncios sobre a apuração, Hernández foi dado como vencedor com a pequena diferença de 1,53 ponto percentual.

O secretário-geral da OEA afirmou que o processo eleitoral apresentou irregularidades e deficiências que permitem classificá-lo como “de qualidade técnica muito baixa e carente de integridade”, e por isso propôs uma nova votação. “O único caminho possível para que o vencedor seja o povo de Honduras é uma nova convocação de eleições gerais”, disse.

Nasralla rejeitou a decisão do tribunal e disse que viajará a Washington para se reunir com Almagro e autoridades dos Estados Unidos “em busca de uma resposta internacional que ajude a encerrar a crise” política em Honduras. “Está claro que houve fraude antes, durante e depois das eleições. Sabemos que ganhamos estas eleições”, disse em um vídeo publicado em sua página de Facebook.

Mais cedo, o chefe da missão de observação eleitoral da OEA em Honduras, Jorge Tuto Quiroga, afirmou que não poderia confirmar uma manipulação intencional do resultado. “A missão não conseguiu confirmar que o Siede (sistema de apuração e divulgação eleitoral) foi manipulado com dolo, mas se pode afirmar que não contou com as robustas medidas de segurança necessárias para garantir sua integridade, e que por isso sua segurança foi violada”, afirmou.

Desde que foi divulgado o resultado das eleições diversos protestos se espalharam pelo país. De acordo com a Comissão Nacional de Direitos Humanos de Honduras, dezesseis pessoas  morreram nos protestos, incluindo dois policiais, além de 1.600 que ficaram feridas.

(com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)