Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Suprema Corte dos EUA empossa primeira mulher negra como juíza

Ketanji Brown Jackson, indicada de Joe Biden, é ex-juíza de primeira instância e ex-defensora pública federal

Por Da Redação 30 jun 2022, 17h31

A juíza Ketanji Brown Jackson foi empossada na Suprema Corte dos Estados Unidos nesta quinta-feira, 30, tornando-se a primeira mulher negra a ocupar um assento no tribunal superior.

O presidente da Suprema Corte, John Roberts, administrou o Juramento Constitucional, pedindo que ela jurasse “apoiar e defender a Constituição dos Estados Unidos contra todos os inimigos, estrangeiros e domésticos”.

Jackson se junta ao tribunal como seu 116º membro durante um período de maior escrutínio do tribunal sobre as decisões recentes, especialmente sobre o direito ao aborto, e a baixa confiança do público americano na Suprema Corte.

Em meio à busca por um substituto para Stephen Breyer, depois que o presidente Joe Biden prometeu nomear uma mulher negra para sua vaga, Jackson era uma das principais candidatas entre juízes e advogados.

Em abril, ela foi confirmada para a Suprema Corte por 53 votos a 47 no Senado, após uma série de audiências minuciosas, durante as quais os republicanos tentavam pintá-la como suave demais em relação ao crime e os democratas elogiavam seu histórico judicial.

Continua após a publicidade

Durante a audiência de confirmação, ela prometeu ser justa e fiel às leis.

“Sou juíza há quase uma década e levo muito a sério essa responsabilidade e meu dever de ser independente. Decido os casos com uma postura neutra. Avalio os fatos, interpreto e aplico a lei aos fatos do caso diante de mim, sem medo ou favor, consistente com meu juramento judicial”, disse ela em sua declaração de abertura perante o Comitê Judiciário do Senado.

Embora a confirmação histórica de Jackson não mude o equilíbrio ideológico da Suprema Corte, atualmente de seis contra três em favor do conservadorismo, ela deve trazer uma nova perspectiva ao tribunal.

+ Quem é a juíza conservadora indicada por Trump para a Suprema Corte

Breyer, que está se aposentando aos 83 anos, é 32 anos mais velho que ela. Pela diferença de idade, é esperado que ela traga alguns pensamentos novos, se não uma ideologia diferente da dele. Sua experiência distinta como ex-juíza de primeira instância e ex-defensora pública federal também pode trazer uma abordagem diferente para a corte.

Quando Thurgood Marshall foi nomeado o primeiro juiz negro em 1967, a ex-juíza da Suprema Corte Sandra Day O’Connor afirmou que “sua perspectiva especial” fez o grupo pensar de maneiras diferentes, e mudou a discussão mesmo se ele não tenha mudado votos. O presidente da Suprema Corte já disse que espera um “novo” tribunal.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)