Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Suíços aprovam cotas imigratórias para cidadãos da UE

Resultado do referendo foi criticado por empresas e associação de bancos

Por Da Redação - 9 fev 2014, 15h28

Eleitores suíços aprovaram neste domingo por estreita margem a proposta para reintroduzir cotas de imigração para cidadão da União Europeia (UE), afirmou a televisão suíça, um resultado que põe em dúvida acordos bilaterais com a UE e poderá irritar empresas multinacionais. Enquanto a neutra Suíça não é um país membro da UE, sua política de imigração é baseada na livre circulação de pessoas dentro do bloco europeu, bem como permite a entrada de um número restrito de cidadãos de outros países que não pertencem à comunidade europeia.

A votação, feita doze anos depois que um acordo com a UE sobre a livre circulação de pessoas entrou em vigor, poderá prejudicar uma economia dependente de profissionais estrangeiros, aumentar a burocracia e ameaçar acordos bilaterais. Em uma votação apertada, 50,3% apoiaram a chamada iniciativa “Pare a imigração em massa”, que também conquistou a maioria exigida em mais da metade dos cantões ou regiões suíças, informou a televisão local.

Leia também

Mulher tenta entrar nos EUA escondida dentro de uma mala

Publicidade

Maioria dos britânicos apoia redução da imigração

Mais de 200 imigrantes salvos perto de ilha de Lampedusa

O resultado obriga o governo a transformar a iniciativa, liderada pelo direitista Partido do Povo Suíço, em lei. O resultado reflete a crescente preocupação entre a população suíça de que os imigrantes estariam minando a distinta cultura alpina do país e contribuindo para o aumento de aluguéis, lotação de transportes e mais crimes.

Os opositores da medida dizem que ela pode exacerbar a escassez de trabalhadores qualificados na Suíça, sede da Roche, Novartis, UBS, Nestlé e de outras multinacionais cheias de profissionais estrangeiros. “Conversas explicativas e construtivas com a UE são necessárias com urgência”, afirmou a Associação de Bancos Suíços em mensagem no Twitter após o resultado.

Publicidade

(Com agência Reuters)

Publicidade