Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Suécia rejeita apelação e mantém ordem de prisão contra Assange

Decisão da Suprema Corte teve 4 votos contra 1. O hacker fundador do WikiLeaks responde na Justiça do país europeu pelo estupro de duas mulheres

Por Da Redação 11 Maio 2015, 20h44

A Suprema Corte da Suécia rejeitou nesta segunda-feira a apelação do fundador do site WikiLeaks, Julian Assange, contra uma ordem de prisão referente a acusações de estupro de 2010. A defesa do hacker australiano esperava que uma decisão favorável ao recurso possibilitaria a Assange encerrar sua permanência na embaixada do Equador em Londres, que dura três anos. Por outro lado, como a apelação foi rejeitada por 4 votos a 1, os advogados acreditam que o voto divergente pode ser uma indicação de que a Corte ainda poderá mudar sua posição.

Leia também:

Julian Assange: “Eu defendo o populismo”

Julian Assange: “O nascimento do Google foi financiado pela Agência de Pesquisas Avançadas dos EUA”

Segundo o jornal The Guardian, a Corte sueca justificou a decisão dizendo que é do “interesse público o prosseguimento da investigação”. “Tendo isso em vista, e mediante o risco de que Julian Assange fuja das acusações se o mandado de prisão for suspenso, a atual detenção está de acordo com o princípio da proporcionalidade”. O advogado do australiano, Per Samuelson, criticou o fato de os juízes terem emitido o veredicto antes de a defesa fazer suas considerações finais.

Com a decisão, os promotores suecos poderão concluir os preparativos para interrogar Assange em Londres, dando sequência ao caso. Assange afirma que os promotores suecos se negaram por diversas vezes a ouvi-lo na embaixada equatoriana.

O hacker refugiou-se na embaixada alegando que, se respondesse ao processo em Estocolmo, poderia ser extraditado para os Estados Unidos, país que estaria interessado em puni-lo pela divulgação de documentos secretos – ainda não há acusações formais contra Assange em território americano.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade