Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Sudão e Sudão do Sul chegam a acordo sobre petróleo

Impasse sobre a circulação do produto na região afetou duramente a economia dos dois países e quase provocou uma guerra entre os vizinhos

Por Da Redação
3 ago 2012, 22h24

Independente desde 2011, o Sudão do Sul herdou 75% dos poços de petróleo de seu vizinho do norte. O Sudão, no entanto, continuou no controle dos oleodutos da região

Dois dias após o encerramento do ultimato dado pelo Conselho de Segurança da ONU para o fim do impasse, os vizinhos Sudão e Sudão do Sul finalmente chegaram a um acordo sobre a circulação de petróleo entre os dois países. “O trato está feito”, informou o mediador da União Africana (UA), Thabo Mbeki, ao término de uma reunião realizada neste sábado, em Addis Ababa, capital da Etiópia.

Disputa – Ao conseguir a independência em julho de 2011, após duas décadas de guerra com o Norte – de maioria árabe e muçulmana -, o Sudão do Sul – de maioria negra e cristã – herdou três quartos dos recursos petroleiros do Sudão, mas continuou totalmente dependente dos oleodutos do norte para exportar seu petróleo.

O impasse entre as duas nações se arrastava desde janeiro, quando o Sudão do Sul interrompeu sua produção de petróleo em resposta ao confisco do produto pelo seu vizinho do norte, insatisfeito com a falta de acordo sobre o valor das taxas a serem pagas pela circulação do óleo. O corte do fluxo de petróleo afetou duramente a economia dos dois países, obrigando a ONU a intervir na disputa.

O mediador Mbeki não deu detalhes sobre o acordo firmado neste sábado, mas garantiu que faltam apenas pendências logísticas para que o petróleo volte a jorrar dos poços do Sudão do Sul. “O que falta fazer, após o acordo alcançado, é discutir as próximas etapas, quando as companhias petroleiras terão que se preparar para reativar a produção e a exportação”, assegurou.

Continua após a publicidade

O fim do impasse acontece horas depois de uma visita da secretária de Estado americana Hillary Clinton à região, na sexta. Em Juba, capital do Sudão do Sul, Hillary pediu que os vizinhos chegassem a um acordo “com urgência”.

Apesar da disputa envolvendo o petróleo ter chegado ao fim, Sudão e Sudão do Sul ainda precisam resolver pendências relacionadas à fronteira entre as duas nações – questão que quase provocou uma guerra em abril. Os negociadores devem agendar novas reuniões nas próximas horas, segundo o canal de notícias CNN.

(Com agência France-Presse)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.