Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Somos todos Nisman’, dizem manifestantes após morte de promotor

Atos 'a favor da verdade e da transparência política' na investigação da morte de Alberto Nisman reuniram milhares de pessoas em Buenos Aires

Milhares de pessoas foram às ruas na Argentina na noite desta segunda-feira pedindo justiça, depois que foi encontrado morto o promotor Alberto Nisman, que havia denunciado uma operação do governo de Cristina Kirchner para encobrir os responsáveis pelo atentado contra a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), em julho de 1994.

Muitos manifestantes carregam bandeiras da Argentina e cartazes com a frase “Eu sou Nisman” – uma alusão à frase “Je suis Charlie”, que marcou os protestos contra o terrorismo depois do ataque ao semanário satírico Charlie Hebdo em Paris.

Leia também:

Entenda as denúncias contra Cristina Kirchner e seus apoiadores

Arma de onde saiu tiro que matou promotor não era dele

A morte foi alvo de repúdio nas redes sociais e se materializou em marchas e panelaços em frente à residência presidencial em Olivos, a Praça de Maio, e em outros bairros da capital e da Grande Buenos Aires. Em Bariloche, mais de 100 pessoas, entre moradores e turistas, reuniram-se no Centro Cívico com cartazes e cantaram o hino nacional. Também houve “buzinaços” em Punta del Este, no Uruguai, onde um grupo de argentinos se reuniu na praia Brava, informou o jornal La Nación.

A convocação para as marchas surgiu nas redes sociais, com chamados para a mobilização “contra o sistema mafioso e assassino” e “a favor da verdade e da transparência política”. A manifestação foi respaldada pelo partido União Cívica Radical e outros representantes da oposição.

Reinaldo Azevedo: A morte suspeita do promotor que acusava Cristina de acobertar ação terrorista do Irã

Caio Blinder: Os tentáculos Irã/Hezbollah, da Argentina à Síria

O caso – O promotor Alberto Nisman foi encontrado morto na madrugada desta segunda-feira em seu apartamento em Puerto Madero, Buenos Aires. Na última semana, ele havia apresentado uma longa denúncia envolvendo a presidente Cristina Kirchner e vários apoiadores, segundo a qual o governo agiu para acobertar iranianos envolvidos no atentado contra a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), em julho de 1994, que deixou 85 mortos.

O promotor havia sido alvo de ameaças – em uma ocasião, um recado foi deixado em sua secretária eletrônica advertindo que ele seria caçado e levado a uma prisão iraniana. Além disso, a denúncia contra Cristina apresentada na quarta-feira e a audiência marcada para esta semana no Congresso com o objetivo de apresentar mais detalhes representava o coroamento de um trabalho de investigação iniciado há mais de dez anos.

Morte de promotor leva milhares a pedir justiça: 'Somos todos Nisman' Morte de promotor leva milhares a pedir justiça: ‘Somos todos Nisman’

Morte de promotor leva milhares a pedir justiça: ‘Somos todos Nisman’ (/)