Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Soldados russos tomam usina de gás na Ucrânia

Kiev ameaça retaliar invasão de usina em Strilkove, cidade próxima à Crimeia

Pelo menos 80 soldados russos desembarcaram de helicópteros neste sábado para tomar uma usina de gás natural no território ucraniano, além da fronteira regional da Crimeia, relatou Kiev ao jornal The New York Times. O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia emitiu uma declaração dizendo que o país “se reserva o direito de utilizar todas as medidas necessárias” para impedir o que chamou de “a invasão militar por parte da Rússia”.

A usina fica na cidade de Strilkove, numa delgada península do Mar Negro que pertence à Ucrânia. No final da tarde desde sábado, tropas ucranianas foram deslocadas para o local. Um porta-voz do Pentágono disse que as autoridades americanas não confirmaram a incursão e não tinham comentários a fazer. A ação da Rússia na planta de gás é até agora a mais provocativa desde que suas forças entraram na Crimeia, há duas semanas. O avanço das tropas russas acontece um dia antes do referendo – considerado ilegal por Estados Unidos e Europa – para decidir se a Crimeia será anexada pelo governo de Moscou.

Leia também

Sob forte presença militar, Crimeia se prepara para referendo

Rússia e EUA não têm a mesma visão sobre crise na Ucrânia, diz chanceler

Intervenção e veto – A Rússia irá considerar os “inúmeros pedidos para intervir no leste da Ucrânia e proteger os civis pacíficos” após os confrontos observados na região, afirmou o Ministério de Relações Exteriores do país. Neste sábado, a Rússia vetou uma resolução do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) que pedia que os países não reconhecessem o resultado do referendo deste domingo. A resolução, elaborada pelos Estados Unidos, foi derrotada por treze votos contra um, com a abstenção da China. A única incerteza com relação à votação era se a China também vetaria a proposta ou se absteria, isolando Moscou politicamente. (Continue lendo o texto)

Um dia antes, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, havia afirmado que o país não tinha planos sobre uma ação militar no leste da Ucrânia, mas se reservou ao direito de proteger a população da região. Segundo ele, a Rússia acredita que o novo governo de Kiev não está controlando a situação na maioria das cidades onde a população é de etnia russa. O país argumenta que tem a obrigação de proteger os seus cidadãos na Crimeia, depois que milhares de soldados fortemente armados – usando uniformes sem identificação – ocuparam a península.

Protestos em Moscou – Moscou teve neste sábado o maior protesto da oposição em quase dois anos, quando milhares de pessoas tomaram as ruas para se manifestarem contra a política de Putin na Ucrânia. Houve também manifestações a favor nas ruas da capital russa. A maioria dos russos aprova as ações de Putin e acredita que a Crimeia é parte da Rússia. Mas uma minoria está com medo, temendo que Putin esteja se arriscando a começar uma guerra.

Leia mais:

Rússia realiza novo exercício militar perto da Ucrânia

Obama recebe premiê ucraniano e alerta Rússia

UE aprova termos para sanções à Rússia

Apesar de menores que os protestos que ele enfrentou depois das eleições parlamentares de 2011, as manifestações deste sábado, que testemunhas dizem que chegou a reunir 30.000 pessoas, é um sinal que a intervenção na Ucrânia pode significar um marco no movimento de oposição, que perdeu muita força.

(Com agência Reuters)

Mapa da Crimeia Mapa da Crimeia

Mapa da Crimeia (/)