Clique e assine com até 92% de desconto

Soldados dos EUA no Afeganistão lembram o 11/9

Por Por Rachel O’Brien 11 set 2011, 13h56

Soldados americanos prestaram homenagem solene, neste domingo, às vítimas dos atentados do 11 de setembro, em todas as bases do Afeganistão – um país onde a guerra ainda faz muitos estragos, uma década depois dos ataques às Torres Gêmeas.

Para destacar ainda mais a violência no país asiático, um suicida fez explodir no sábado um caminhão-bomba, numa base da Otan no centro do país, fazendo duas mortes. Mais de cem pessoas ficaram feridas, entre elas 77 soldados da coalizão.

As cerimônias deste domingo foram realizadas, especialmente, nas bases militares americanas de Bagram no norte e Kandahar no sul.

Os Estados Unidos invadiram o Afeganistão um mês depois dos atentados de 2001, para tirar os talibãs do poder, sob a acusação de terem dado refúgio à Al-Qaeda e a seu líder Osama Bin Laden. Mas os talibãs conseguiram se levantar depois e partir para uma insurgência sangrenta.

Na base de Fob Fenty, na cidade de Jalalabad (leste), centenas de soldados participaram, no alvorecer, de cerimônias de oração e homenagens, com a bandeira dos Estados Unidos a meio pau, para simbolizar o luto.

“Aqui tudo começou e aqui também tudo acabará”, disse o sargento Andrew Spano, que leu em seguida os nomes de todos os soldados americanos mortos no Afeganistão.

Na embaixada americana, em Cabul, o comandante das forças da coalizão, general John Allen, e o embaixador Ryan Crocker, reuniram dezenas de funcionários e soldados para uma cerimônia de hasteamento da bandeira e preces.

Segundo Allen, “vimos sofrendo revezes e momentos difíceis. Sem dúvida, há muitos desafios pela frente. Mas hoje, neste sagrado dia, posso dizer com confiança que, juntos, trilhamos o caminho do êxito no Afeganistão”.

Continua após a publicidade

Crocker admitiu o “cansaço” dos americanos com 10 anos de guerra e o grande número de baixas (mais de 1.750 soldados americanos, desde o começo do conflito) e um grande custo (444 bilhões de dólares).

“Alguns, ao voltar para casa, perguntam-se por que estamos aqui (…) Estamos aqui para que nunca haja um outro 11/9 vindo do solo afegão”, disse o embaixador.

Segundo estudo da Brown University dos Estados Unidos, um total de 33.877 pessoas (incluindo soldados afegãos e estrangeiros, civis e insurgentes) morreram nesta década de guerra.

Enquanto isto, duas pessoas morreram e mais de cem ficaram feridas, entre elas 77 soldados da coalizão, de acordo com a mais recente contagem de vítimas, num atentado suicida praticado com um caminhão-bomba contra base da Otan, no centro do Afeganistão, informou um comunicado da Isaf, a Força Internacional de Assistência à Segurança, da Aliança Atlântica.

A ação, registrada na véspera do 10º aniversário dos atentados do 11 de setembro de 2001, em Nova York e Washington, foi assumida neste domingo pelos talibãs, em seu site na internet.

“Um suicida acionou os explosivos com os quais carregou o caminhão na entrada do Posto de Combate Avançado (COP) de Sayed Abad, província de Wardak”, precisou a nota.

Além dos feridos, a explosão abriu um buraco de 6 metros no muro”, declarou à AFP o comandante David Eastburn, porta-voz do exército americano perto de Jalalabad.

O número anterior era de 89 feridos.

Continua após a publicidade
Publicidade