Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Soberana à moda antiga: não se fazem mais rainhas como Elizabeth II

No trono há setenta anos, ela dominou a arte de ser popular e querida sem perder um milímetro da majestade

Por Duda Monteiro de Barros Atualizado em 4 jun 2024, 11h51 - Publicado em 28 Maio 2022, 08h00

Entra primeiro-ministro, sai primeiro-ministro, entra presidente, sai presidente, entra polêmica, sai polêmica, entra escândalo, sai escândalo, a terra treme sob o impacto da Guerra Fria, do 11 de Setembro, do #MeToo, do Brexit, das redes sociais — e lá está ela, imutável e intocável. Elizabeth II, a soberana do Reino Unido, 96 anos recém-completados, celebra setenta anos no trono — seu Jubileu de Platina — na condição não só de rainha mais longeva do planeta, mas também de última de sua estirpe. Depois dela, que monarca terá estatura, popularidade e confiança para passar a vida planando acima dos demais, isolada em magnífico esplendor, eventualmente honrando os comuns mortais com um sorriso, um aceno, uma palavra simpática — exatamente o que se espera de uma rainha, apesar de todos os sinais incompatíveis com os tempos atuais?

POMPA - Coroação em 1953: ela já era rainha havia mais de um ano -
POMPA - Coroação em 1953: ela já era rainha havia mais de um ano – (Universal Images Group/Getty Images)

Em pleno século XXI, Elizabeth, graças justamente ao fato de ter passado incólume por um sem-número de baques, perrengues e reviravoltas, consegue continuar sendo uma soberana à moda antiga e essa permanência é o alicerce de sua aprovação geral e irrestrita. Quem vier depois dela será obrigado a dar um tom próprio e contemporâneo à função, com as cobranças e os escorregões que isso acarreta. “Cada reinado deve se adaptar à personalidade do rei e às condições culturais da época. A monarquia representa a tradição, mas ela tem de fazê-lo com o consentimento e o aplauso da população”, diz William Kuhn, historiador especializado em realeza. Em outras palavras: Charles, o herdeiro, vai ter de rodar muito o manto de arminho para se ajustar à sombra de Elizabeth.

Os longuíssimos setenta anos de reinado da segunda era elizabetana se completaram em 6 de fevereiro, o dia em que, sete décadas atrás, o rei George VI morreu e sua filha mais velha herdou a coroa. Na época casada há cinco anos com o príncipe Philip, morto no ano passado, mãe de dois filhos (depois teria mais dois), a jovem Elizabeth viria a suplantar os dois recordistas recentes, a rainha Vitória (1819-1901) e o imperador Hirohito (1901-1989) do Japão — ambos reinaram por 63 anos. O Palácio de Buckingham reservou quatro dias para os festejos, de 2 a 5 de junho. A agenda do feriadão inclui o plantio de árvores em todo o país, o Queen’s Green Canopy, um concurso para eleger a melhor sobremesa criada para a ocasião e cerimônias para acender 1 500 fogueiras — sendo a principal a da Árvore das Árvores, escultura de 21 metros feita com 350 espécies nativas e postada em frente ao palácio. Enfrentando problemas de saúde, a rainha só vai confirmar na véspera a presença nos três eventos em que é esperada: a parada militar que culmina com a família real reunida no balcão principal de Buckingham, a missa de ação de graças na Catedral de St. Paul e a corrida de cavalos. No sábado 4, à noite, um show monumental no Hyde Park juntará uma legião de famosos. Já se sabe que Elizabeth não estará na carruagem dourada, ponto alto do desfile que encerra a festa no domingo.

Continua após a publicidade
PARENTES SERPENTES - Harry (com a família), que saiu do palácio batendo a porta, e Andrew, amigo de um predador sexual: não faltou drama -
PARENTES SERPENTES – Harry (com a família), que saiu do palácio batendo a porta, e Andrew, amigo de um predador sexual: não faltou drama – (instagram @meghanmarkle_official; Facundo Arrizabalaga/EFE)

Apesar do oba-oba, a organização do Jubileu pisa em ovos Fabergé. Desde que contraiu Covid-19, em fevereiro, Elizabeth diminuiu o ritmo dos compromissos, cancelou encontros e só aparece raramente, de bengala e caminhando com evidente dificuldade. Na tradicional exposição de flores que abre a primavera, circulou em um carrinho de golfe adaptado, imediatamente apelidado de “rainhamóvel”. A busca de meios de locomoção alternativos tem um motivo: embora se diga que use cadeira de rodas em casa, ela se recusa terminantemente a aparecer em público sentada em uma, traumatizada pelas últimas imagens da irmã, Margaret, enfraquecida e imobilizada. Também favorece ataques de nervos a presença confirmada da família radicada nos Estados Unidos: Harry, Meghan, Archie e a pequena Lilibeth, que nunca pisou em solo britânico. Eles não estarão no balcão do palácio, reservado aos “royals que desempenham uma função”, mas como serão recebidos, e como vão reagir, nas ocasiões a que vão comparecer? E a que distância será mantido Andrew, o tóxico terceiro filho, posto no ostracismo por sua ligação com a rede de abuso de menores do amigo americano Jeffrey Epstein? A rainha flana por esses potenciais constrangimentos com total aplomb. O resto da família, nem tanto.

Elizabeth chega ao final de seu reinado com 84% de aprovação, segundo pesquisa do instituto YouGov, sem diploma universitário, sem instalar painéis solares nos palácios, sem optar por Rolls-Royces elétricos, sem conceder medalhas a minorias por serem minorias e sem emitir opinião sobre assunto algum, a não ser os óbvios — solidarizou-se com as vítimas da pandemia e emitiu sinais de apoio à Ucrânia, por exemplo. Situa-se assim a anos-luz de sua colega mais idosa, a rainha Margrethe II da Dinamarca, 82 anos — no trono há cinquenta, a despachada monarca que não dá bola para pompa e circunstância, é pintora que já teve quadros expostos, arqueóloga diletante que já participou de escavações, fez com que as orelhas palacianas ardessem quando manifestou restrições a imigrantes e, por cima de tudo, fuma como uma chaminé. De modo geral, as Casas reais remanescentes da Europa são fruto dos novos tempos, modernas, tolerantes e defensoras de causas variadas. O rei Harald da Noruega, 85 anos, faz discursos em defesa da abertura e do caráter multicultural do país. Carlos XVI, da Suécia, e a rainha Silvia, filha de brasileira, participam de fóruns de discussão sobre proteção à criança e desenvolvimento econômico e social.

Continua após a publicidade
LONGEVIDADE - Nagako e Hirohito: ele foi imperador do Japão durante 63 anos -
LONGEVIDADE - Nagako e Hirohito: ele foi imperador do Japão durante 63 anos – (Kyodo/AP/Image Plus)

Os descendentes de Elizabeth vão pelo mesmo caminho, e não poderia ser diferente, como manda o figurino. Charles, por mais que nunca tenha posto pasta na própria escova de dentes (inconfidência de um assessor desgostoso), posiciona-se claramente em relação a questões de meio ambiente. Aos 73 anos, já ocupando o lugar da rainha em alguns compromissos, ele se prepara para finalmente ser rei sabendo que seus domínios vão encolher: a Escócia chega cada vez mais perto da opção pela saída do reino e vários países do Caribe que têm Elizabeth como soberana se movimentam para proclamar a república. Em nome do pragmatismo, prevê-se que ele vá reduzir o número de royals que ganham para isso, visando um corte nas despesas com a monarquia.

Sem chegar nem perto do carisma da mãe, também é consenso que vai dar espaço aos moderninhos William e Kate — que conversam sobre a educação dos filhos (já declararam não ver problema em ter algum dos três inserido na sigla LGBTQIA+), clima e outros assuntos terrenos. Será a vitória final da última rainha com R maiúsculo: dois homens e uma mulher para dar conta do trono que ela deixou vazio.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 1 de junho de 2022, edição nº 2791

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.