Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Sobe para 37 o número de mortos em terremoto no Irã

Tremor aconteceu perto de usina nuclear, mas não afetou segurança da central

Por Da Redação 10 abr 2013, 03h50

O terremoto de magnitude 6,3 que atingiu a província de Busher, no sul do Irã, na terça-feira, já deixou 37 mortos, 850 feridos e mais de 800 casas destruídas no país. Nesta quarta, as equipes de resgate continuavam trabalhando na região afetada em busca de sobreviventes.

Leia também:

Irã informa ONU que terremoto não provocou dano nuclear

Irã inaugura duas minas e complexo de produção de urânio

Segundo o governador de Busher, Fereydum Hasanvand, os feridos foram levados para hospitais localizados fora da zona do tremor, como precaução para o caso de réplicas do terremoto.

Continua após a publicidade

Cerca de 10.000 pessoas perderam suas casas ou simplesmente fugiram por medo de novos abalos sísmicos e passarão a noite na rua, segundo a agência iraniana Ilna. Dúzias de réplicas, algumas delas com mais de 5 graus de magnitude, foram sentidas na região.

Usina nuclear – O terremoto aconteceu perto da usina nuclear de Busher, mas, de acordo com a companhia russa que construiu a central, o funcionamento da planta não foi alterado. “O terremoto de forma alguma afetou a situação normal do reator. Funcionários continuam a trabalhar em regime normal e os níveis de radiação estão totalmente dentro da norma”, afirmou um funcionário para a agência de notícias estatal russa RIA.

O Irã é o único país que opera uma central nuclear sem fazer parte da Convenção de Segurança Nuclear, negociada depois do desastre de Chernobyl. A ONU e autoridades ocidentais insistem que o país deve aderir ao documento. Teerã tem rejeitado repetidamente os avisos sobre a planta de Bushehr, construída em uma área de grande atividade sísmica. A central entrou em operação em setembro de 2011, depois de décadas de adiamento.

Histórico – O Irã se encontra em uma zona de grandes falhas terrestres e os terremotos são comuns em todo o país. Em agosto do ano passado, foram registrados tremores consecutivos de 6,2 e 6 graus na escala Richter, que deixaram mais de 300 mortos e 4.500 feridos na província do Azerbaijão Oriental. Em 1990, um terremoto alcançou 7,7 graus e causou a morte de 37.000 pessoas na província noroeste de Gilan, junto ao már Cáspio.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)