Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Sob ameaça de prisão, oposicionista Guaidó retorna à Venezuela

Autodeclarado presidente interino do país diz no Twitter que já está no aeroporto de Caracas, que passou pela imigração e que volta como 'cidadão livre'

Por Agência Brasil - Atualizado em 4 mar 2019, 14h46 - Publicado em 4 mar 2019, 14h21

O autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, usou nesta segunda-feira, 4, as redes sociais para dizer que voltou à Venezuela após ter deixado o país para viagens internacionais em busca de apoio contra o regime de Nicolás Maduro – ele esteve inclusive no Brasil, onde se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro.

Sem dar detalhes sobre o pouso, ele apenas informou que estava no país. “Já em nossa terra amada. Venezuela, acabamos de passar pela imigração e vamos nos mobilizar para onde está o povo”, avisou o deputado oposicionaista na sua conta pessoal no Twitter.

Em seguida, o autodeclarado presidente interino acrescentou: “Entramos na Venezuela como cidadãos livres, que ninguém nos diga o contrário. Sinto o sol de Guaíra e o brilho do povo que nos esperou aqui”, escreveu.

Guaidó retorna à Venezuela no momento em que convocou uma mobilização nacional tanto em Caracas, capital do país, como em várias cidades do interior. As manifestações estão organizadas para esta quarta-feira, 5.

Publicidade

Em transmissão ao vivo feita na terça-feira 3 nas redes sociais, Guaidó fez um balanço de sua viagem por cinco países da América do Sul: Colômbia, Brasil, Paraguai, Argentina e Equador. Segundo ele, foi firmada uma “coalizão” internacional em favor da democracia.

“As opções de recuperação econômica estão sobre a mesa. Isso está acompanhado da mobilização cidadã e do povo venezuelano”, destacou Guaidó.

Riscos

A vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, disse nesta segunda-feria, 4, que as autoridades analisam o comportamento de Guaidó para tomar as medidas necessárias contra ele.

Ameaçado pelo governo Maduro de prisão, o interino disse não temer os riscos por retornar à Venezuela. De acordo com ele, seu regresso ao país é acompanhado pelo mundo e povo venezuelano. Na transmissão ao vivo, Guaidó estava acompanhado pela mulher, Fabiana.

Publicidade

“Se tentarem me seqüestrar, temos todos os passos a seguir”, disse. “Hoje estamos mais mobilizados do que nunca”, acrescentou. “Se me seqüestrarem, será um dos últimos horrores. No passado, seqüestraram e mataram nossa gente e estamos mais fortes do que nunca”, afirmou.

Em janeiro, a Suprema Corte da Venezuela, sob controle de Maduro, proibiu Guaidó de deixar o país e congelou seus bens. Porém, a Assembleia Nacional, de maioria oposicionista, aprovou uma licença para o autodeclarado presidente deixar a região.

Publicidade