Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Snowden diz que Nova Zelândia mente sobre espionagem

Em artigo, o ex-analista de inteligência da NSA afirma que o premiê John Key tem enganado a população ao dizer que essa prática não ocorre no país

Por Da Redação 15 set 2014, 15h28

O ex-analista de inteligência da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos Edward Snowden, disse nesta segunda-feira que o primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key, tem mentido para a população ao dizer que o país não está envolvido em nenhuma prática de espionagem. Snowden declarou que fazia parte de sua rotina na NSA vasculhar as comunicações privadas de cidadãos neozelandeses. De acordo com ele, os dados eram obtidos por meio do Escritório de Segurança Governamental das Comunicações (GCSB, na sigla em inglês) do país.

Leia também:

Berlim espionou celular de Hillary Clinton, diz jornal

CIA admite que espionou computadores de senadores dos EUA

“Qualquer comunicado que a espionagem em massa não ocorre na Nova Zelândia, ou que as comunicações na internet não são interceptadas e monitoradas, ou que elas não passam intencionalmente e ativamente pelo controle do GCSB são categoricamente falsos”, escreveu Snowden, em um comunicado publicado no site The Intercept, do jornalista americano Glenn Greenwald. Após deixar o jornal The Guardian, onde publicou as primeiras denúncias feitas por Snowden, Greenwald criou o portal para denunciar os abusos cometidos contra os direitos civis ao redor do mundo.

Tanto Greenwald quanto Snowden participaram de um evento sobre o mundo digital organizado na Nova Zelândia, nesta segunda. As primeiras acusações contra o serviço de espionagem do país foram feitas justamente durante o discurso de ambos. Assim como o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que também foi convidado a ingressar no debate, Snowden conversou com o público por meio de uma videoconferência.

Sem se referir ao evento, o primeiro-ministro neozelandês havia emitido uma nota dizendo que as informações que circulam sobre a agência de espionagem do país são incorretas. “As alegações feitas esta noite estão erradas porque são baseadas em informações incompletas”, afirmou John Key. “O GCSB não opera uma coleta maciça de metadados provenientes de cidadãos neozelandeses, portanto, está claro que o órgão não colabora com ninguém enviando dados” acrescentou.

O premiê também publicou arquivos secretos para corroborar a sua argumentação. Aproximadamente 1.000 pessoas compareceram ao evento que contou com a participação de Snowden. Após seu encerramento, o escritório de Key afirmou que o primeiro-ministro “não tinha mais comentários para fazer no momento”, reportou o jornal The Wall Street Journal.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês