Clique e assine a partir de 8,90/mês

Sisi apresenta oficialmente candidatura à presidência

O marechal é até agora o único candidato homologado pela Justiça do país

Por Da Redação - 14 abr 2014, 10h53

O marechal Abdel Fatah al-Sisi, ex-comandante do exército egípcio, apresentou oficialmente, nesta segunda-feira, sua candidatura à presidência do país. O advogado de Al-Sisi, Bahaa Abu Shuqa, apresentou à comissão eleitoral os resultados dos exames médicos do homem forte do Egito, assim como as assinaturas exigidas para a candidatura na eleição presidencial de 26 e 27 de maio, disse o porta-voz do marechal, Ahmed Kamel.

Sisi, que virou protagonista da política do país após a destituição do presidente islamita Mohamed Mursi em julho do ano passado, é o grande favorito da disputa eleitoral. Segundo a lei eleitoral egípcia, cada candidato deve reunir 25.000 assinaturas de eleitores, obtidas em pelo menos quinze das 27 províncias do país. “Sisi conseguiu mais de 460.000 assinaturas de cidadãos de todo o país que apoiam sua candidatura”, disse Kamel.

Leia também

Favorito nas eleições presidenciais, Sisi vira jogo de celular

Egito anuncia eleição presidencial para 26 e 27 de maio

Continua após a publicidade

A apresentação de candidaturas termina em 20 de abril. A comissão eleitoral deve anunciar posteriormente os candidatos efetivos até 2 de maio, um dia antes do início oficial da campanha. Até o momento, o líder esquerdista Hamdeen Sabahi e o advogado Mortada Mansur, que criticou a revolta de 2011 contra o ex-presidente Hosni Mubarak, também manifestaram a intenção de disputar a eleição presidencial. Sisi, 59 anos, é o primeiro aspirante a apresentar oficialmente sua candidatura para a eleição presidencial, que será supervisionada pela primeira vez pela União Europeia (UE). O marechal é considerado o principal inimigo da Irmandade Muçulmana, grupo político-religioso que apoia Mursi e foi considerado ilegal no Egito.

Leia mais

Explosões matam chefe de polícia e ferem cinco no Egito

Grã-Bretanha investigará célula da Irmandade Muçulmana em Londres

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade