Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Síria: inspetores da ONU vão deixar país um dia antes do previsto

Secretário-geral da organização disse que informações preliminares sobre ataque químico vão ser divulgadas no sábado

Por Da Redação - 29 ago 2013, 09h32

A equipe de inspetores da Organização das Nações Unidas (ONU) que investiga o ataque com armas químicas ocorrido na Síria na semana passada deixará o país no sábado, um dia antes do previsto. Os dados preliminares serão apresentados no mesmo dia, anunciou nesta quinta-feira em Viena o secretário-geral da organização, Ban Ki-moon.

“A equipe averiguará até sexta-feira e sairá da Síria no sábado de manhã. Me informarão assim que saírem da Síria”, relatou o secretário.

Ban também assegurou que falou sobre a crise síria na quarta-feira com o presidente de Estados Unidos, Barack Obama.

“Expressei meu desejo que a equipe de investigação possa continuar seu trabalho durante o tempo que lhe encomendou seu mandato”, afirmou Ban. “Contei que compartilharíamos a informação, nossas análises, mostras e evidências com os membros do Conselho de Segurança, e, em geral, com os membros das Nações Unidas”, acrescentou.

Publicidade

Leia também:

Leia também: Mudança de regime não está entre as opções dos EUA para a Síria

Na quarta-feira, o secretário havia dito que era “preciso dar oportunidade à diplomacia, dar uma oportunidade à paz” e defendeu uma solução não militar para a crise Síria.

Ao mesmo tempo, Ban afirmou que “o uso de armas químicas por qualquer e pela razão que for é um crime contra a humanidade sobre o qual é preciso prestar contas”.

Publicidade

Nesta quinta-feira, os inspetores da ONU voltaram a entrar na área de Guta Oriental, perto de Damasco, onde os opositores ao regime de Bashar Assad afirmaram que ocorreu o ataque com armas químicas. Estimativas apontam que pelo menos 300 pessoas morreram.

Na quarta-feira, os inspetores já haviam visitado um hospital de campanha, onde colheram amostras de sangue de pacientes e entrevistaram médicos. Também foram recolhidas amostras de solo da região.

(Com agência EFE)

Publicidade