Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Síria destruiu instalações de produção de armas químicas, diz Opaq

Documento oficial informa que a Opaq verificou e destruiu "todos os 23 locais importantes de produção declarados"

Por Da Redação - 31 out 2013, 07h02

A Síria destruiu todas as instalações declaradas de produção de armas químicas, cumprindo uma meta fundamental de um ambicioso programa de desarmamento do país, informa documento do organismo internacional de fiscalização das armas químicas, revelado nesta quinta-feira. A Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) informa que suas equipes inspecionaram 21 dos 23 locais de produção de armas químicas na Síria. Os dois locais que ficaram fora eram perigosos demais para serem inspecionados, mas equipamentos químicos já haviam sido removidos para outros locais que foram visitados pelos especialistas, segundo a Opaq.

Leia também

Assad condiciona solução política para crise ao fim do apoio a rebeldes

Diretor da Opaq fala sobre restrições ao trabalho na Síria

Publicidade

Opaq: destruição de arsenal na Líbia e no Iraque também é desafio

“A Opaq está satisfeita de ter verificado e destruído equipamentos de todos os 23 locais importantes de produção declarados”, diz o documento. Sob um acordo mediado por Rússia e Estados Unidos, o governo sírio aceitou destruir todas as suas armas químicas, após Washington ter ameaçado usar a força em resposta à morte de mais de 1 400 pessoas em um ataque com gás sarin nos arredores de Damasco em 21 de agosto.

A destruição desses equipamentos significa que a Síria já não pode produzir novas armas químicas. Mas Damasco ainda tem de começar a destruir seu atual arsenal desse tipo de armamento. Acredita-se que o país tenha cerca de 1 000 toneladas de químicos, dentre eles gás mostarda e gás sarin. A Síria apresentou um programa para a destruição total de armas químicas que tem de ser aprovado, no mês que vem, pelo comitê executivo da Opaq. Num sinal do progresso da missão, um grupo de oito inspetores da Opaq retornou para a sede da organização nesta quinta-feira.

Na quarta-feira, O ditador sírio Bashar Assad se reuniu com o enviado da ONU para a Síria, Lakhdar Brahimi, para discutir a participação de representantes do regime na conferência de paz que será realizada em Genebra, na Suíça. O mandatário, contudo, alertou que nenhuma solução política para a guerra civil será tomada até os países do Ocidente deixarem de apoiar as forças rebeldes.

Publicidade

Infográficos

Cronologia: o emprego de armas químicas e os esforços para bani-las

Conheça os principais ataques com armas químicas empreendidos ao longo da história e as tentativas de bani-las do front

Publicidade

Histórico – O conflito entre as forças governistas do ditador e os rebeldes contrários ao regime já dura mais de dois anos e causou a morte de mais de 100 000 pessoas, segundo dados da ONU. Assad, que classifica os membros da oposição síria de “terroristas”, afirmou que não conseguirá cumprir com as demandas das negociações de paz se não tiver a sua reivindicação atendida.

Embora grupos jihadistas tenham se aproveitado da instabilidade política e social na Síria para promover atentados terroristas no país, a oposição liderada pelo Exército Sírio Livre (ESL) conta com forte apoio dos Estados Unidos e de seus aliados. A organização é considerada o principal braço armado da luta contra Assad e afirma ter um contingente de aproximadamente 40 000 soldados. Analistas, no entanto, dizem que o ESL não deve ter mais do que 10 000 integrantes.

A oposição síria já havia afirmado em outras ocasiões que não estava confiante nas futuras negociações em Genebra. Os grupos rebeldes dizem que não aceitarão nenhuma resolução que não determine a saída imediata de Assad do poder. Anteriormente, os opositores já haviam declarado que o acordo firmado entre Estados Unidos e Rússia para destruir o arsenal químico do regime não interromperia a luta armada. A medida foi acordada em setembro como uma resposta ao massacre de civis em um ataque com armas químicas na periferia de Damasco.

(Com agência Reuters)

Publicidade