Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Setenta palestinos são feridos pelas forças israelenses em Gaza

Soldados usam munição real para dispersar manifestantes; em um ano de marchas, 271 foram mortos e 30.000 sofreram ferimentos

Pelo menos 70 pessoas foram feridas por disparos de soldados israelenses na Grande Marcha do Retorno desta sexta-feira, 5, informaram fontes do Ministério de Saúde do território palestino.

O ato semanal acontece há pouco mais de um ano na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza e reivindica o regresso dos refugiados palestinos a seus locais de origem, hoje parte de Israel, e o fim do bloqueio israelense a Gaza, imposto desde 2007.

“Os hospitais continuam recebendo feridos atingidos por tiros de munição real das forças de ocupação israelense”, informou o comunicado do ministério. Ainda segundo testemunhas, as forças israelenses também usaram gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar os manifestantes.

Os organizadores da Grande Marcha do Retorno pediram nesta sexta para que os palestinos continuem se engajando nos protestos, e o chefe político do grupo jihadista Hamas, Ismail Haniye, afirmou durante um rito muçulmano desta sexta-feira, na grande mesquita de Gaza, que o povo não deixará de ir às marchas até que Israel ceda os direitos reivindicados.

Haniye também contou que há “avanços positivos” nos esforços realizados com a mediação egípcia para um acordo entre o Hamas e Israel. Ele defendeu que a causa palestina “não é humanitária, e sim uma questão de libertação nacional.”

A autoridade também mencionou a disputa entre grupos palestinos pelo poder. O Fatah, liderado pelo presidente Mahmoud Abas, governa na Cisjordânia mas é o Hamas quem controla de fato a região de Gaza. Haniye afirmou que a formação de um governo que inclua todas as facções, em uma “reconciliação nacional”, é um “dever” de ambos os lados.

As Grandes Marchas do Retorno começaram em 30 de março de 2018. Os confrontos entre os soldados israelenses e os manifestantes já deixaram 271 palestinos mortos, entre eles 57 menores, e outras 30.000 pessoas feridas, segundo o Ministério da Saúde de Gaza.

(Com EFE)