Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Será uma ‘longa guerra’ contra o Hamas, diz Netanyahu

Em encontro com o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, o líder israelense pediu 'apoio contínuo' do Reino Unido no conflito

Por Da Redação
Atualizado em 19 out 2023, 12h58 - Publicado em 19 out 2023, 10h58

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse nesta quinta-feira, 19, acreditar que o conflito com o Hamas seja uma “longa guerra”. Ao lado do premiê britânico, Rishi Sunak, em visita a Tel Aviv, ele afirmou que por isso conta com o “apoio contínuo” do Reino Unido.

Ao lado do homólogo britânico, Netanyahu recordou o papel do Reino Unido na Segunda Guerra Mundial, dizendo que “há oitenta anos, o mundo civilizado esteve com vocês na sua hora mais sombria”.

+ Israel diz que matou chefe de grupo radical na Faixa de Gaza

“Esta é a nossa hora mais sombria”, ele continuou. “É a hora mais sombria do mundo. Precisamos nos unir e venceremos. E é por isso que valorizo o seu apoio e o fato de você estar aqui – temos de vencer juntos.”

“Isso significa que esta é uma guerra longa e precisaremos do seu apoio contínuo. Haverá altos e baixos, haverá dificuldades”, alertou o primeiro-ministro israelense.

Continua após a publicidade

+ Israel bombardeia cidade em Gaza onde brasileiros aguardam por resgate

Sunak, que viaja nesta quinta-feira de Tel Aviv para a Arábia Saudita, costurando uma cooperação para libertar os reféns detidos pelo Hamas em Gaza e evitar um conflito regional mais amplo, disse a Netanyahu que o Reino Unido quer que Israel “ganhe”.

“Estou orgulhoso de estar aqui com você na hora mais sombria de Israel, como seu amigo”, disse o primeiro-ministro britânico.

Ele também comemorou um acordo para permitir que 20 caminhões com ajuda humanitária atravessem a Faixa de Gaza, vindos do Egito. O governo britânico é parte de um esforço internacional para garantir que os caminhões possam entrar no território palestino ainda nesta sexta-feira, 20.

Continua após a publicidade

+ Entenda o que é a Jihad Islâmica, aliada do Hamas contra Israel

Sunak, além disso, disse reconhecer que Israel estava “tomando todas as precauções para evitar ferir civis” e que o Reino Unido continuaria a cooperar com o governo israelense para garantir a libertação de reféns, particularmente no que diz respeito aos cidadãos britânicos.

Espera-se que a questão das pessoas sequestradas esteja na pauta do encontro de Sunak com Mohammed bin Salman, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, em Riade nesta quinta-feira.

O ministro das Relações Exteriores britânico, James Cleverly, seguiu um roteiro paralelo pelo Oriente Médio, com o objetivo de prevenir a propagação do conflito em toda a região. Nesta quinta-feira, ele pousou no Egito e depois segue para o Catar, com visita também agendada na Turquia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.