Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ser presidente dos EUA é bom para a longevidade, indica estudo

Washington, 7 dez (EFE).- Apesar das preocupações e dos cabelos brancos que se multiplicam durante seus governos, a maioria dos presidentes dos Estados Unidos superou a média da expectativa de vida de seus contemporâneos, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira pelo ‘Journal of the American Medical Association’.

O autor do estudo, Jay Olshansky, professor de epidemiologia da Escola de Saúde Pública da Universidade de Illinois em Chicago, começou a se interessar pelo tema no meio deste ano, quando o presidente americano, Barack Obama, completou 50 anos.

O meio século de Obama serviu à imprensa para fazer um balanço de sua gestão e analisar o impacto sobre ele dos dois primeiros anos de cargo, como o cabelo mais branco, rugas mais pronunciadas e outros sinais de envelhecimento.

‘Não há teste que possa medir quanto se envelhece de um ponto A a um ponto B e também não é possível prever especificamente quanto vai viver um indivíduo’, assinala Olshansky, que mesmo assim decidiu pesquisar sobre o assunto.

Olshansky criou uma fórmula para calcular o impacto do cargo na longevidade dos líderes e descobriu que, ao contrário do que se poderia pensar, a maioria dos presidentes americanos viveu mais que seus contemporâneos.

Partindo da premissa de que governantes envelhecem o dobro que os demais cidadãos (tirando dois dias de vida por cada dia no cargo), o estudo comparou o que eles deveriam ter vivido, levando em conta a idade e o ano em que assumiram o cargo, com o que realmente viveram.

O resultado foi que 23 dos 34 presidentes que morreram por causas naturais viveram mais que o que tinha predito com seu método.

Os quatro presidentes assassinados foram eliminados do estudo: Abraham Lincoln (no cargo entre 1861 e 1865), James Garfield (1881), William McKinley (1897-1901) e John F. Kennedy (1961-1963).

O autor ressalta que, embora a ‘sabedoria popular’ mostre que os líderes vivem menos pelo estresse a que estão submetidos, a média de vida dos oito primeiros presidentes dos EUA foi de 79,8 anos, numa época em que a esperança de vida era de 40 anos. Esse período compreenderia desde George Washington (1789-1797) até Martin van Buren (1837-1841).

Segundo Olshanksy, embora no mundo da biologia não haja uma forma de medir a idade de um indivíduo, ‘sabemos que o status econômico tem um poderoso efeito na longevidade’.

De fato, o pesquisador reconhece que, de todos os presidentes da história americana, apenas dez não tiveram educação superior, certo status econômico e acesso ao cuidado de sua saúde.

‘Não morremos por ter o cabelo grisalho ou rugas na pele’, assinala Olshansky. ‘O que estamos vendo no presidente Obama não é diferente do que vemos em muitos outros homens de sua idade nos Estados Unidos ou em qualquer parte’. EFE