Clique e assine a partir de 9,90/mês

Senador americano de origem latina descarta candidatura

Estrela emergente dos republicanos culpou dois grandes partidos do país pela crise

Por Da Redação - 24 ago 2011, 08h34

O senador de origem latina Marco Rubio – considerado uma estrela emergente dos republicanos e cotado como possível candidato à vice-presidência dos Estados Unidos – culpou os dois grandes partidos do país pela crise e descartou entrar na disputa eleitoral. “Eu sei que é comum em meu partido culpar o atual presidente (Barack Obama). Mas a verdade é que o presidente apenas acelerou as políticas que já estavam em prática e destinadas ao fracasso”, disse Rubio diante de mais de 1.000 pessoas na Fundação Ronald Reagan em Simi Valley, ao noroeste de Los Angeles.

Para muitos, o senador de 40 anos fala à nova geração na tradição de Ronald Reagan (presidente entre 1981 e 1989). “Gastar mais dinheiro do que temos nos conduziu aos problemas que sofremos agora”, declarou, em referência ao debate para o aumento do teto da dívida e à posterior redução da nota da dívida soberana americana. “O que temos agora não é sustentável”, completou, antes de defender a diminuição de impostos e menos regulamentações. “Temos que mudar para uma nação onde possam conviver a prosperidade e a compaixão”, disse, sendo muito aplaudido durante o discurso.

Rubio é frequentemente apontado como possível candidato à vice-presidência republicana para as eleições de novembro de 2012. Porém, negou a possibilidade. “Não tenho interesse em servir como vice-presidente. Sou feliz como senador neste momento, não serei o candidato à vice-presidência”, afirmou o congressita pela Flórida, eleito em 2010 com o apoio do movimento ultraconservador Tea Party.

Nascido em Miami e filho de pais cubanos, Rubio recordou a era Reagan como um período definido pela liberdade e a livre empresa. “Não importava quem você era, quem eram seus pais, se tinha uma boa ideia, você podia ser alguém”. O senador chegou ao evento com a ex-primeira-dama Nancy Reagan, de 90 anos.

Continua após a publicidade

(Com agência France-Presse)

Publicidade