Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Senado de Nova Jersey aprova casamento entre homossexuais

Nova York, 13 fev (EFE).- O Senado de Nova Jersey aprovou nesta segunda-feira um projeto de lei que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo, embora o governador do estado, Chris Christie, já tenha antecipado que vetará a legislação e submeterá o assunto a um referendo.

A Câmara Alta aprovou hoje por 24 votos a favor e 16 contra o projeto de lei ‘Igualdade de Casamento e Isenção Religiosa’, que na quinta-feira passará à Assembleia Legislativa, de maioria democrata, onde espera-se que receba sinal verde e libere o casamento entre homossexuais em Nova Jersey.

‘Este projeto define o casamento como a união reconhecida legalmente entre duas pessoas que mantêm uma relação de compromisso consentida’, afirma o documento, aprovado por quase todos os senadores democratas (exceto dois) e apenas dois republicanos.

Dessa maneira, o Senado estadual deu seu sinal verde pela primeira vez ao casamento entre homossexuais, depois que em janeiro de 2010 um texto similar não foi aprovado.

O maior grupo em defesa dos direitos dos homossexuais de Nova Jersey, Garden State Equality, expressou hoje seu ‘júbilo’ através das redes sociais e pediu aos constituintes que aprovem também o projeto.

No entanto, a proposta aprovada hoje no Senado enfrenta a oposição frontal do governador Christie, que já declarou sua disposição a vetá-la.

No final do mês passado, Christie propôs submeter a um referendo a possibilidade de legalizar o casamento entre homossexuais em Nova Jersey e declarou que ‘a instituição do casamento é séria demais para que seja tratada como um jogo’.

Se o governador finalmente vetar o projeto de lei, a legislatura do estado poderia conseguir aprová-la se receber o apoio de dois terços dos legisladores em ambas câmaras antes de janeiro de 2014.

Atualmente o casamento entre pessoas do mesmo sexo é legal em sete estados do país: Massachusetts, Connecticut, Iowa, New Hampshire, Vermont, Nova York e Washington, assim como no Distrito de Columbia. EFE