Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Segundo suspeito ligado a atentado em NY foi localizado pelo FBI

O autor do ataque, Sayfullo Saipov, já foi formalmente acusado de terrorismo pelo governo americano

Por Da redação - 1 nov 2017, 22h04

O FBI localizou um segundo suspeito que teria auxiliado no atentado terrorista que matou oito pessoas na terça-feira em Nova York. O homem foi identificado pelas autoridades como o cidadão do Uzbequistão Mukhammadzoir Kadirov, de 32 anos.

Kadirov teria ajudado Sayfullo Saipov no ataque realizado em Manhattan. De acordo com os promotores federais, ele foi motivado pelo “ódio” e por uma “ideologia retorcida”. Os promotores também alegaram que o autor do ataque foi radicalizado pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Segundo eles, Saipov escolheu realizar o ato durante o Halloween porque “acreditava que mais civis poderiam ser atingidos na rua”. O plano de Saipov começou a ser planejado há um ano e tinha como objetivo “matar a maior quantidade de pessoas que conseguisse”.

Acusação formal

O governo dos Estados Unidos apresentou nesta quarta-feira uma denúncia criminal contra Saipov. Ele foi denunciado por apoio material e de recursos à organização estrangeira terrorista e por violência e destruição com veículo.

Publicidade

De acordo com a denúncia, o terrorista admitiu ter se inspirado em vídeos do Estado Islâmico e afirmou que planejava prosseguir dirigindo sua caminhonete pela ciclovia até a Ponte do Brooklyn para atacar mais pedestres. Saipov também revelou ter alugado uma outra caminhonete, no dia 22 de outubro, para treinar o ataque.

O terrorista reconheceu ainda ser o autor das notas em árabe que mencionam o grupo Estado Islâmico e foram encontradas próximas a caminhonete utilizada no ataque. Pediu para colocar a bandeira negra do EI em seu quarto do hospital e se disse “satisfeito com o que fez”, segundo a promotoria.

Saipov atingiu 20 pedestres e ciclistas quando invadiu a ciclovia na West Street, avenida próxima ao Memorial e Museu Nacional do 11 de Setembro, em Lower Manhattan, no sul da ilha. Após o atropelamento, Saipov gritou “Alá é grande” em árabe.

Entre as oito pessoas que morreram estavam cinco argentinos, que viajaram aos Estados Unidos para comemorar os 30 anos de formatura e estavam passeando de bicicleta pelo bairro de Manhattan. As outras três vítimas são uma belga de 31 anos e dois americanos.

Publicidade

(Com agências internacionais)

Publicidade