Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Sede do governo de transição palestino será em Gaza

Hamas e Fatah chegam a acordo que pode pôr fim à rivalidade entre os partidos

Por Da Redação 19 nov 2011, 09h12

O acordo de reconciliação firmado em maio pelos movimentos palestinos Hamas e Fatah começa a se definir. Neste sábado, o assessor do primeiro-ministro Ismail Haniyeh declarou ao jornal israelense ‘Haaretz’ que o governo de transição terá sede na Faixa de Gaza. Será de seu partido o novo premiê, que não governará de Ramala, sede da Autoridade Nacional Palestina, mas do território liderado pelos islâmicos. O novo gabinete, formado por tecnocratas e políticos independentes, é um dos principais desafios do acordo que procura pôr fim às rivalidades entre os dois grandes partidos palestinos, que governam separadamente Cisjordânia e Gaza desde 2007.

Até então, o Fatah exigia que Salam Fayyad, chefe do governo de Ramala, seguisse liderando o Executivo – postura da qual parece ter abdicado para impulsionar as negociações. O primeiro-ministro foi acusado de obstruir o processo de reconciliação por não querer deixar seu cargo, mas negou qualquer resistência: “Nunca serei um obstáculo ou elemento de instabilidade porque sou uma pessoa responsável”, escreveu neste sábado em sua página do Facebook.

O histórico acordo de maio ficou à espera do pedido do presidente da ANP, Mahmoud Abbas. Em setembro, ele apresentou à ONU uma requisição para que a Palestina seja aceita como Estado. O Hamas, que rejeitava o pedido, apoiará a causa. A partir de agora, o programa político de todas as facções palestinas que entrarem no novo governo será o de conseguir um Estado nas fronteiras de 1967 com capital em Jerusalém Ocidental.

Na quarta-feira, Abbas se reunirá no Cairo com o líder do Hamas, Khaled Mashaal, para acertar a identidade do próximo primeiro-ministro. Como parte da reconciliação, o presidente palestino visitará Gaza em breve.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade