Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Secretários de defesa de China e EUA trocam acusações em primeiro encontro

Washington acusou a China de tentar mudar o status quo da ilha, ao mesmo tempo que Pequim acusa os EUA de causar instabilidade na região

Por Da Redação 10 jun 2022, 14h58

O primeiro encontro presencial entre os secretários de Defesa de Estados Unidos e China na cúpula de defesa em Cingapura nesta sexta-feira, 10, terminou com uma troca de acusações entre ambos envolvendo a questão de Taiwan

Por um lado, Washington acusa Pequim de tentar mudar o status quo da ilha, enquanto o governo chinês responde alegando que a Casa Branca está alimentando uma instabilidade na região com suas ações, incluindo a venda de armas para Taipei. 

+ Fazendo frente à China, EUA e Taiwan divulgam nova iniciativa comercial 

Na reunião, o secretário americano, Lloyd Austin, reiterou ao seu contraparte chinês, Wei Fenghe, que os Estados Unidos estão comprometidos com a política de ‘Uma China’, mas alertou que os militares do país asiático estão cada vez mais agressivos, imprudentes e pouco profissionais na região, de acordo com um funcionário de defesa do governo americano.

Para Austin, as ações do Exército chinês sugerem que a China está empenhada em alterar a política atual em relação a Taiwan, território reivindicado pelo Partido Comunista Chinês.

“O nosso secretário também demonstrou preocupação com as constantes declarações de membros do Exército de que o Estreito de Taiwan não é um território internacional. Isso foi dito várias vezes aos soldados americanos e é profundamente preocupante”, disse o funcionário a repórteres. 

Em resposta à entrevista, o porta-voz do Exército chinês, coronel Wu Qian, disse que não era Pequim quem estava perturbando a política que “proporciona estabilidade no Estreito há décadas”.

“Não é o continente que está mudando o status quo, são as forças de independência de Taiwan e as forças externas”, disse Wu Qian em entrevista coletiva após a reunião.

+ Biden reafirma compromisso de defender Taiwan em caso de invasão da China

Ainda de acordo com o coronel, o secretário de Defesa chinês apontou especificamente para uma venda de armas feita pelos Estados Unidos para a ilha no valor de US$ 120 milhões. De acordo com o Ministério da Defesa de Taiwan, a nova compra cobrirá “peças sobressalentes para navios de guerra e assistência técnica relacionada”.

Continua após a publicidade

“Os Estados Unidos anunciaram novamente a venda de armas para Taipei, o que minou seriamente a soberania e os interesses de segurança da China. O Partido Comunista Chinês se opõe e condena firmemente isso”, disse o comunicado chinês. 

Embora a questão da ilha tenha ocupado a maior parte da reunião entre Austin e Wei, houve discussões também sobre a guerra da Ucrânia, o que gerou mais controvérsias. 

O secretário de defesa dos Estados Unidos, país que forneceu uma série de armamentos aos ucranianos desde o início do conflito, instou a China a não enviar nenhum suporte militar para a Rússia. O porta-voz chinês reiterou que nenhuma medida do tipo foi tomada.

Apesar das diferenças, Wu Qian disse que a reunião, que durou quase o dobro do tempo estipulado, foi positiva, construtiva e teve um “bom efeito”. O primeiro encontro entre os secretários ocorreu durante a quarta viagem de Lloyd Austin à região do Indo-Pacífico, após um pedido formal da liderança militar da China. 

Tema tido como prioridade para os Estados Unidos para a reunião, ambos se comprometeram a construir uma linha de diálogo mais prática, de modo a impedir que a competição econômica evolua para um conflito.

Segundo o funcionário americano, Wei Fenghe respondeu de maneira positiva à ideia de estabelecer mecanismos de comunicação de crise, sugerindo que podem haver avanços relacionados a isso ainda neste ano. 

+ Rússia e China inauguram ponte entre os dois países para ampliar comércio

O porta-voz chinês disse ainda que os próximos passos no relacionamento entre as duas potências incluirão a realização de intercâmbios e conversas sobre cooperação por meio de canais militares e diplomáticos. 

“O lado chinês acha que é melhor se reunir do que não se encontrar, e melhor conversar do que não conversar”, afirmou. 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)