Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Secretários de defesa de China e EUA trocam acusações em primeiro encontro

Washington acusou a China de tentar mudar o status quo da ilha, ao mesmo tempo que Pequim acusa os EUA de causar instabilidade na região

Por Da Redação
10 jun 2022, 14h58

O primeiro encontro presencial entre os secretários de Defesa de Estados Unidos e China na cúpula de defesa em Cingapura nesta sexta-feira, 10, terminou com uma troca de acusações entre ambos envolvendo a questão de Taiwan

Por um lado, Washington acusa Pequim de tentar mudar o status quo da ilha, enquanto o governo chinês responde alegando que a Casa Branca está alimentando uma instabilidade na região com suas ações, incluindo a venda de armas para Taipei. 

+ Fazendo frente à China, EUA e Taiwan divulgam nova iniciativa comercial 

Na reunião, o secretário americano, Lloyd Austin, reiterou ao seu contraparte chinês, Wei Fenghe, que os Estados Unidos estão comprometidos com a política de ‘Uma China’, mas alertou que os militares do país asiático estão cada vez mais agressivos, imprudentes e pouco profissionais na região, de acordo com um funcionário de defesa do governo americano.

Continua após a publicidade

Para Austin, as ações do Exército chinês sugerem que a China está empenhada em alterar a política atual em relação a Taiwan, território reivindicado pelo Partido Comunista Chinês.

“O nosso secretário também demonstrou preocupação com as constantes declarações de membros do Exército de que o Estreito de Taiwan não é um território internacional. Isso foi dito várias vezes aos soldados americanos e é profundamente preocupante”, disse o funcionário a repórteres. 

Em resposta à entrevista, o porta-voz do Exército chinês, coronel Wu Qian, disse que não era Pequim quem estava perturbando a política que “proporciona estabilidade no Estreito há décadas”.

Continua após a publicidade

“Não é o continente que está mudando o status quo, são as forças de independência de Taiwan e as forças externas”, disse Wu Qian em entrevista coletiva após a reunião.

+ Biden reafirma compromisso de defender Taiwan em caso de invasão da China

Ainda de acordo com o coronel, o secretário de Defesa chinês apontou especificamente para uma venda de armas feita pelos Estados Unidos para a ilha no valor de US$ 120 milhões. De acordo com o Ministério da Defesa de Taiwan, a nova compra cobrirá “peças sobressalentes para navios de guerra e assistência técnica relacionada”.

Continua após a publicidade

“Os Estados Unidos anunciaram novamente a venda de armas para Taipei, o que minou seriamente a soberania e os interesses de segurança da China. O Partido Comunista Chinês se opõe e condena firmemente isso”, disse o comunicado chinês. 

Embora a questão da ilha tenha ocupado a maior parte da reunião entre Austin e Wei, houve discussões também sobre a guerra da Ucrânia, o que gerou mais controvérsias. 

O secretário de defesa dos Estados Unidos, país que forneceu uma série de armamentos aos ucranianos desde o início do conflito, instou a China a não enviar nenhum suporte militar para a Rússia. O porta-voz chinês reiterou que nenhuma medida do tipo foi tomada.

Continua após a publicidade

Apesar das diferenças, Wu Qian disse que a reunião, que durou quase o dobro do tempo estipulado, foi positiva, construtiva e teve um “bom efeito”. O primeiro encontro entre os secretários ocorreu durante a quarta viagem de Lloyd Austin à região do Indo-Pacífico, após um pedido formal da liderança militar da China. 

Tema tido como prioridade para os Estados Unidos para a reunião, ambos se comprometeram a construir uma linha de diálogo mais prática, de modo a impedir que a competição econômica evolua para um conflito.

Segundo o funcionário americano, Wei Fenghe respondeu de maneira positiva à ideia de estabelecer mecanismos de comunicação de crise, sugerindo que podem haver avanços relacionados a isso ainda neste ano. 

Continua após a publicidade

+ Rússia e China inauguram ponte entre os dois países para ampliar comércio

O porta-voz chinês disse ainda que os próximos passos no relacionamento entre as duas potências incluirão a realização de intercâmbios e conversas sobre cooperação por meio de canais militares e diplomáticos. 

“O lado chinês acha que é melhor se reunir do que não se encontrar, e melhor conversar do que não conversar”, afirmou. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.