Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

‘Se Ucrânia falhar, Eslováquia será a próxima’, diz premiê eslovaco

Temendo pelo futuro de seu país caso a Ucrânia seja derrotada na guerra, primeiro-ministro eslovaco lança alerta sobre risco de conflito com a Rússia

Por Da Redação 25 Maio 2022, 10h41

O primeiro-ministro da Eslováquia, Eduard Heger, emitiu um alerta severo sobre o futuro de seu país caso a Rússia derrote a Ucrânia na guerra. Reunido com outros líderes da União Europeia, o político eslovaco advertiu sobre o risco da nação também sofrer uma invasão de Moscou e cobrou mais sanções da comunidade internacional.

“Se a Ucrânia falhar, a Eslováquia é a próxima”, disse Heger durante um painel no Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, nesta quarta-feira, 25.

Preocupado com os rumos da invasão russa ao país vizinho, o primeiro-ministro eslovaco disse que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky precisa vencer a guerra, caso contrário, a Eslováquia, que faz fronteira com a Ucrânia, também será ameaçada.

O líder eslovaco aproveitou o encontro internacional para pressionar a União Europeia a cortar de vez sua dependência em relação à energia russa.

“Basicamente, trocamos nossos valores por gás e petróleo baratos por muito tempo”, disse ele, apontando que a Europa está traindo seus princípios ao manter a parceria comercial com Moscou. “Comprometer-se com [o presidente russo] Vladimir Putin causou uma guerra”, criticou o primeiro-ministro eslovaco.

Sendo bastando contundente, Heger completou que os ucranianos estão “derramando seu próprio sangue por nossos valores”.

Além disso, a autoridade da República Eslovaca pediu que União Europeia facilite a entrada da Ucrânia e dos países da região dos Bálcãs, no sudeste da Europa no bloco econômico. A Ucrânia, nos últimos anos, aprofundou seus laços econômicos e políticos com o bloco, e Kiev chegou a expressar o desejo em se tornar um Estado membro. As nações dos Bálcãs Ocidentais também procuram a adesão há vários anos.

A adesão ao bloco geralmente leva vários anos, já que as nações devem atender a critérios rígidos antes de iniciar as negociações. No entanto, alguns líderes da União Europeia rejeitaram a ideia de que a adesão poderia acontecer mais rápido devido à invasão. “Não existe um processo acelerado de adesão, isso não existe”, disse o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, em março.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)