Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Satélite chinês capta imagens que podem ser do avião desaparecido

Fragmentos indicariam local em que aeronave da Malaysia Airlines desapareceu no último sábado, com 239 pessoas a bordo

Um satélite chinês identificou imagens em uma área no mar que podem ser o primeiro sinal do avião da Malaysia Airlines, desaparecido desde sábado. As imagens divulgadas nesta quarta foram captadas na manhã de domingo, um dia após a aeronave ter perdido contato com os controladores de voo.

Leia também:

Há 35 anos, avião da Varig também sumiu sem deixar rastro

Malásia revela última mensagem emitida de avião desaparecido

Celulares de passageiros de avião desaparecido ainda tocam, dizem famílias

Segundo a rede CNN, as imagens da Administração Estatal de Ciência, Tecnologia e Indústria para a Defesa Nacional da China mostram três grandes peças no oceano, sendo que a maior delas mede entre 22 e 24 metros. As imagens foram registradas no Mar da China Meridional, em uma região não distante do plano de voo original traçado para o voo MH370, que ia de Kuala Lumpur, na Malásia, para Pequim.

Anteriormente, relatos de que destroços e até um bote teriam sido avistados por patrulheiros envolvidos na operação de busca foram desmentidos pelas autoridades. Com cinco dias de buscas e nenhuma informação obtida sobre o paradeiro da aeronave, o governo da Malásia comunicou que a área vistoriada foi ampliada para o Mar de Adamão, na costa oeste da península da Malásia, centenas de quilômetros ao noroeste da primeira zona rastreada.

Saiba mais:

Como um avião pode ter desaparecido?

As diferenças entre o avião desaparecido na Ásia e o acidente da Air France

Além dos satélites chineses, a busca pela aeronave conta com a análise de dados de outros catorze países que operam satélites de observação, entre eles, Estados Unidos, países da União Europeia, Japão, Índia, Argentina e Brasil. “Temos que examinar todas as possibilidades”, afirmou o diretor da aviação civil malaia, Azharuddin Abdul Rahman.

Alerta de segurança – A Boeing informou ter emitido um alerta de segurança em junho do ano passado sobre as aeronaves modelo 777, dizendo às companhias aéreas que era necessário atentar para rachaduras na fuselagem em torno das antenas de satélite das aeronaves. A Agência Federal de Aviação (FAA, em inglês) dos Estados Unidos determinou que os reparos fossem feitos em todos os aviões do modelo. Questionada sobre a possibilidade de os danos terem provocado um acidente com o avião da Malaysia Airlines, a fabricante informou que o modelo 777-200ER que está desaparecido não apresentava a antena anexada à fuselagem e não foi citado na ordem expedida pela FAA.

O voo MH370 transportava 239 pessoas, sendo 227 passageiros, incluindo dois menores de idade, e doze tripulantes. Pessoas de várias nacionalidades estavam a bordo, a maioria chineses (154 pessoas), e também malaios, indonésios, australianos, franceses, americanos, canadenses, russos, ucranianos e iranianos – estes embarcaram com passaportes roubados.