Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Sarkozy planeja denunciar site que revelou seus supostos laços com Kadafi

Por Da Redação 30 abr 2012, 04h01

Paris, 30 abr (EFE).- O presidente da França e candidato à reeleição, Nicolas Sarkozy, anunciou nesta segunda-feira que planeja denunciar o site de pesquisa Mediapart, que neste fim de semana revelou um documento que supostamente prova que o ex-ditador líbio Muammar Kadafi financiou sua campanha presidencial em 2007.

‘O documento era falso. O Mediapart não é confiável’, disse Sarkozy em entrevista concedida ao canal ‘France 2’, onde apontou que a denúncia será apresentada esta semana, antes que acabe a campanha do segundo turno das eleições.

Esse texto, procedente segundo o Mediapart dos arquivos dos serviços secretos e revelados por ex-altos cargos do regime atualmente na clandestinidade, mostra o sinal verde do governo de Kadafi para financiar com 50 milhões de euros a campanha de Sarkozy.

O documento data de dezembro de 2006 e nele o responsável dos serviços secretos líbios da época, Moussa Koussa, autoriza o diretor do gabinete de Kadafi, Bashir Saleh, a efetuar o pagamento.

‘Me envergonho que (a agência francesa de notícias) ‘AFP’ alertasse para algo falso’, acrescentou Sarkozy em referência ao eco dado à notícia desse site, que seu primeiro-ministro, François Fillon, tachou de ‘um laboratório financiado pelos amigos ricos de François Hollande’.

O candidato socialista, em entrevista concedida à emissora ‘Europe 1’, lamentou hoje que se deixe pensar que os meios de comunicação estão instrumentalizados e insistiu que sua estratégia para ganhar não procura ‘nada mais’ que convencer os franceses com suas propostas.

‘Cada vez que explode um escândalo, que afeta principalmente o poder, nunca é bom para a democracia nem para os partidos de governo’, disse o candidato favorito segundo todas as pesquisas.

Hollande acrescentou que os socialistas não têm nenhum vínculo com esse site, formado por jornalistas reconhecidos, e assinalou que corresponde à Justiça decidir sobre a veracidade da notícia. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade