Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Sarah Palin foi ameaçada de morte após eleições presidenciais

Candidata à vice-presidência na chapa de John McCain em 2008, a ex-modelo foi alvo de críticas pesadas de quem dizia querer assassiná-la

Por Da Redação - 11 jun 2011, 12h07

E-mails divulgados pelo estado do Alasca, nos Estados Unidos, revelam que a ex-candidata à vice-Presidência do país Sarah Palin recebeu ameaças de morte quando foi indicada à disputa na chapa do republicano John McCain nas eleições de 2008.

Nas mensagens, publicadas pelo jornal Los Angeles Times, Palin aparece como alvo de várias críticas e ameaças. “Ela não pertence à NRA (Associação Nacional do Rifle) apenas para apoiar o direito de cada cidadão de ter armas para a defesa pessoal, mas sim para apoiar o direito de cada cidadão branco do Sul de disparar contra pessoas não brancas legalmente”, acusa um remetente identificado como Dominique Villacrouz.

O texto do correio eletrônico diz ainda “Sarah Palin DEVE MORRER”. Em outra mensagem, com data de 12 de setembro, um residente da Bélgica pede que disparem contra a americana, dizendo que “apenas nesse momento a justiça será feita”.

A divulgação desses e-mails aumenta as especulações de que Sarah Palin pretende mesmo disputar a Presidência com Barack Obama em 2012. Ex-modelo e ex-governadora do Alasca, ela atraiu muito mais holofotes que John McCain durante a corrida presidencial em que Obama foi eleito, graças à imagem de boa mãe e defensora de princípios religiosos.

Publicidade

Seu discurso, no entanto, ficou desqualificado quando a filha de 17 anos engravidou do namorado e a própria Sarah Palin apareceu em fotos de biquíni segurando um fuzil. Após as eleições, ela renunciou ao governo do Alasca, participou de um reality show e comandou um programa de TV.

(Com AFP)

Publicidade