Clique e assine a partir de 9,90/mês

Sanders oficializa apoio a Clinton após mais de um mês de resistência

O senador desistiu oficialmente da campanha pelo Partido Democrata, no primeiro ato conjunto com a ex-rival

Por Da Redação - 12 Jul 2016, 14h05

O senador Bernie Sanders declarou apoio oficial a sua rival nas primárias democratas, Hillary Clinton, nesta terça-feira. Mesmo com desvantagem irreversível nas prévias, Sanders resistiu durante mais de um mês em defender Hillary e, consequentemente, confirmar sua desistência, para continuar pressionando sobre o conteúdo do programa do partido.

“Hillary Clinton ganhou as primárias e eu a parabenizo por isso. Será a indicada democrata para a presidência e farei todo o possível para que ela seja a próxima presidente dos Estados Unidos”, garantiu o senador pelo estado de Vermont no primeiro ato de campanha conjunto, na cidade de Portsmouth. Sanders também agradeceu “os 13 milhões de americanos” que votaram nele durante as primárias democratas e defendeu a união do partido.

Leia também:

Hillary amplia vantagem sobre Trump para 13 pontos, diz pesquisa

Continua após a publicidade

Obama participa de primeiro comício ao lado de Hillary

Sanders afirma que irá votar em Hillary para presidente dos EUA

Com um posicionamento mais à esquerda que ex-secretária de Estado, Sanders havia dito no passado que só confirmaria que estava ao lado de Clinton quando tivesse certeza que ela iria “representar os trabalhadores e não Wall Street”. No final de junho, o senador confirmou em entrevista que votaria em Hillary para impedir que o republicano Donald Trump chegasse à presidência, porém, reafirmou na época que não estava desistindo da corrida.

Após o anúncio tardio, mas já esperado do senador, Hillary disse que a eleição será muito mais “proveitosa com ambos do mesmo lado” e agradeceu o antigo rival. “Nós somos mais fortes juntos”, declarou. Já Trump aproveitou para se manifestar no Twitter e atacar Sanders: “Estou surpreso que Bernie Sanders não seja verdadeiro consigo mesmo e seus apoiadores. Eles não estão felizes que ele está se vendendo!”, escreveu o magnata.

Continua após a publicidade

(Com EFE)

Publicidade