Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Saiba como o Reino Unido derrubou casos de Covid e agora reabre a economia

Em janeiro deste ano, país chegou a registrar mais de 1.200 mortes por dia; Mais de dois meses depois, número caiu para menos de 100

Por Maria Eduarda Barros Atualizado em 5 abr 2021, 16h25 - Publicado em 5 abr 2021, 16h21

Em janeiro deste ano, o Reino Unido chegou a registrar mais de 1.200 mortes por dia por causa da Covid-19. Mais de dois meses depois, esse número caiu para menos de 100 óbitos diários. O segredo da diminuição de casos, que viabilizam uma reabertura gradual do país, está na combinação de três pontos essenciais: medidas restritivas, vacinação e, a partir de agora, testes em massa.

No início de 2021, o primeiro-ministro Boris Johnson anunciou o terceiro lockdown do país, após um aumento na curva de contágios e a descoberta de uma nova, e mais transmissível, variante local do coronavírus. As restrições comerciais e de movimentação de pessoas, associada à campanha de vacinação iniciada em dezembro, fizeram com que a taxa de contágio caísse drasticamente.

Além disso,  enquanto o país mira uma vida pós-pandemia, residentes da Inglaterra terão acesso, duas vezes por semana, a testes de Covid-19. O plano, anunciado pelo premiê para impedir novos surtos, envolve todos os adultos e crianças.

Nesta segunda-feira, 5, Johnson ressaltou que o programa tem objetivo de quebrar a cadeia de transmissões e ajudar a detectar casos assintomáticos, que seriam responsáveis por uma em cada três infecções. 

O plano de testes em massa, que entra em vigor já na próxima sexta-feira, 9, terá kits capazes de fornecer resultados em cerca de 30 minutos, gratuitamente, nos centros de testes de coronavírus, farmácias e via correio.

“À medida que continuamos fazendo um bom progresso em nosso programa de vacinas e com nosso roteiro para aliviar cautelosamente as restrições em andamento, o teste rápido regular é ainda mais importante para garantir que esses esforços não sejam desperdiçados”, disse o premiê em um comunicado.

Espera-se que qualquer pessoa com teste positivo usando os testes se auto-isole junto com os outros membros de sua casa.

Pessoas que testarem positivo poderão então solicitar um teste de PCR de acompanhamento, que é mais preciso e usado para confirmar oficialmente os casos. Se um resultado for negativo, o indivíduo terá permissão para encerrar sua quarentena.

Trânsito internacional

Um sistema de semáforo para países com base nos níveis de infecção e vacinação está definido para ser usado para viagens internacionais, que podem ser retomadas em 17 de maio. Férias no exterior são proibidas por lei.

Continua após a publicidade

O governo do Partido Conservador de Johnson também realizará vários testes de passaportes de vacinas nas próximas semanas para ver se os passes podem ajudar a garantir aglomerações em massa em estádios, boates e shows.

  • Vacinação Rápida

    Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte estão seguindo seus próprios caminhos graduais, saindo de um bloqueio rígido imposto no início deste ano. Os movimentos seguem uma campanha de imunização que viu pelo menos uma dose da vacina aplicada em mais de 31,5 milhões de pessoas em todo o Reino Unido mais da metade da população adulta.

    Com mais de 126.000 mortes, o Reino Unido tem o quinto maior número de mortes no mundo. No sábado, no entanto, com avanço da vacinação, registrou 10 mortes um recorde de baixa em seis meses e uma queda enorme desde as máximas de mais de 1.000 nos períodos de pico.

    O lançamento da vacina aumentou as esperanças de uma recuperação estável neste ano, com Johnson buscando suspender gradualmente todas as restrições na Inglaterra até meados de junho.

    A próxima fase da flexibilização deverá ocorrer antes do dia 12 de abril, quando serviços não essenciais poderão abrir novamente. Ao mesmo tempo, restaurantes e pubs estarão permitidos a servir clientes do lado de fora de seus estabelecimentos.

    Embora medidas restritivas estejam sendo relaxadas desde a volta das escolas no dia 8 de março, muitas empresas continuam fechadas e o governo continua incentivando as pessoas a trabalharem de casa sempre que possível. O momento, segundo Johns, ainda é de cautela.

    “Eu sei que muita gente tem sentido falta da camaradagem e da competição dos esportes organizados e o quão difícil é restringir atividades físicas – especialmente para as crianças. (…) Sei também que muitos de vocês irão aproveitar o aumento do contato social, com grupos de seis pessoas ou duas famílias podendo se reunir ao ar livre novamente”, afirmou na semana passada.

    Na contramão do Reino Unido, as taxas de infecção da Europa não param de crescer. Para tentar conter a crescente, a Alemanha planeja novas medidas de distanciamento, mesmo após o fracasso para o grande feriado da Semana Santa. Na França, médicos fazem um alerta para um possível colapso no seu sistema de saúde devido ao aumento do número de pacientes na UTI.

    Continua após a publicidade
    Publicidade