Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Russos compraram 3.000 anúncios do Facebook, dizem democratas

Congressistas americanos afirmam que empresa russa usava mensagens incendiárias sobre temas sensíveis para influenciar a opinião pública

Por Da Redação Atualizado em 10 Maio 2018, 16h19 - Publicado em 10 Maio 2018, 16h07

Democratas do Comitê de Inteligência da Câmara de Representantes dos Estados Unidos revelaram nesta quinta-feira (10) mais de 3.000 anúncios do Facebook comprados por uma empresa da Rússia como meio de interferir nas eleições de 2016. Para os congressistas da oposição, essa estratégia teve o objetivo de “criar caos político e ferir a democracia americana”.

Publicados no Facebook entre 2015 e 2017, esses anúncios foram pagos pela empresa Internet Research Agency, com sede em São Petersburgo, na Rússia. A companhia foi acusada pelo procurador especial Robert Mueller, que investiga a interferência russa nas eleições, de lançar “uma guerra informativa” contra as últimas eleições americanas, em novembro de 2016.

As páginas do Facebook criadas pelo grupo russo abrangem todo o espectro político. Uma delas, chamada Blacktivist, atua em defesa dos direitos da comunidade afro-americana, enquanto outra, a Heart of Texas, destina-se a pessoas com posições conservadoras. Ambas compraram milhares de anúncios com fins políticos nessa rede social.

Outra página, chamada “Exército de Jesus”, que tinha como imagem de perfil Jesus lutando contra Satanás, encorajava os eleitores a escolher um presidente com “moral piedosa”, segundo indicaram veículos de imprensa americanos.

Continua após a publicidade

Ainda assim, muitos destes anúncios não respaldavam um candidato específico, mas propagavam mensagens incendiárias sobre temas sensíveis ao eleitorado conservador, como a imigração e o racismo. Alguns deles alcançaram milhões de pessoas.

Das 13 pessoas contra os quais Mueller apresentou acusações em fevereiro passado, 12 trabalharam em algum momento para a Internet Research Agency.

Segundo o procurador especial, os acusados se passavam por ativistas americanos e usavam identidades fictícias nas redes sociais para entrar em contato com cidadãos americanos e pedir apoio a diferentes causas políticas. Entre elas, ajudar o presidente americano, Donald Trump, a “reforçar as fronteiras”.

Até setembro, quando identificou 470 contas que compraram 3.000 anúncios por mais de 100.000 dólares em um período de dois anos, o Facebook negou reiteradamente que os russos exploraram sua plataforma.

Desde então, o Facebook, com sede na Califórnia, diz ter adotado uma postura “muito mais agressiva” a respeito dos anúncios sobre política, obrigando os compradores a revelar suas identidade e localização.

(Com EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês