Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Russo-americana que fez doações à Ucrânia vai a julgamento por traição

Ksenia Karelina, que nasceu na Rússia mas migrou aos EUA há 10 anos, foi presa no início do ano em Ecaterimburgo enquanto visitava a família

Por Da Redação
Atualizado em 20 jun 2024, 09h46 - Publicado em 20 jun 2024, 09h37

Começou nesta quinta-feira, 20, o julgamento da cidadã russo-americana Ksenia Karelina, acusada pela Rússia de suposta traição em conexão com doações de dinheiro feitas ao exército da Ucrânia. A mulher foi presa no início deste ano, enquanto visitava a família em Ecaterimburgo, localizada na banda oriental dos montes Urais.

Karelina, que nasceu na Rússia, mas imigrou para os Estados Unidos há mais de uma década, onde construiu uma vida como esteticista em um spa de Los Angeles, pode receber uma sentença que vai de 12 anos na cadeia até a prisão perpétua caso considerada culpada. Seu julgamento será realizado a portas fechadas, como é habitual nesses casos na Rússia. Absolvições por traição no país são raras.

+ Zelensky diz que Putin precisa ser parado ‘de qualquer maneira’

O caso

O tribunal da cidade de Ecaterimburgo, publicou um vídeo curto de Karelina sentada dentro de uma gaiola de vidro, vestindo jeans e uma camisa xadrez verde. A ex-bailarina de 32 anos foi acusada de doar cerca de US$ 50 (R$ 270) à Razom, uma instituição de caridade pró-Ucrânia com sede em Nova York.

Continua após a publicidade

Os promotores alegam que ela “transferiu proativamente fundos para uma organização ucraniana, que as Forças Armadas ucranianas usaram posteriormente para comprar medicamentos táticos, equipamentos, armas e munições”.

+ Rússia diz que negocia libertação de repórter dos EUA preso por espionagem

O Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB) deteve Karelina em janeiro, enquanto ela visitava os pais e a irmã mais nova em Ecaterimburgo. Sua ex-sogra, Eleonora Srebroski, disse à agência de notícias Reuters em fevereiro que ela havia viajado para casa na época do Ano Novo, depois que seu namorado deu-lhe uma passagem de avião de presente e ela o assegurou que ir à Rússia seria “seguro”.

Continua após a publicidade

Fogo cruzado da diplomacia

A mulher chegou aos Estados Unidos em 2012, por meio de um programa de estudo e trabalho, e foi casada por um breve período com o filho de Srebroski. Seu ex-marido a descreveu como uma mulher divertida, que não se importava muito com política.

+ EUA anunciam US$ 1,5 bi de ajuda à Ucrânia na cúpula de paz na Suíça

Pelo menos uma dúzia de americanos se encontram presos na Rússia atualmente, parte de uma lista crescente de estrangeiros que se viram enroscados na crise das relações entre Moscou e Washington durante a guerra na Ucrânia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.