Clique e assine com até 92% de desconto

Rússia reconhecerá eleições dos separatistas na Ucrânia

O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, afirmou que o processo eleitoral será importante para 'para legitimar as autoridades'

Por Da Redação 28 out 2014, 06h24

A Rússia anunciou que reconhecerá os resultados das eleições legislativas e presidenciais que acontecerão no dia 2 de novembro nas regiões do leste ucraniano controladas pelos separatistas pró-Moscou, confirmou o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov. “Esperamos que as eleições sejam celebradas como estão previstas e reconheceremos, certamente, os resultados”, declarou Lavrov ao jornal russo Izvestia. Até o momento, o governo de Kiev não comentou a declaração russa.

“Esperamos que a expressão do povo seja livre e que ninguém do exterior tente perturbar”, completou. Para Lavrov, as eleições em duas “repúblicas” proclamadas pelos separatistas “serão muito importantes para legitimar as autoridades”, rela a rede britânica BBC. As regiões sob controle dos insurgentes não participaram nas eleições legislativas de domingo passado no restante da Ucrânia.

Leia também

Explosões são ouvidas em Donetsk após eleição na Ucrânia

Presidente reivindica vitória de partidos pró-Ocidente na Ucrânia

Eleições da Ucrânia têm partidos pró-Europa como favoritos

Continua após a publicidade

Putin admite que Rússia ajudou presidente deposto a fugir

Resultados – O Frente Popular, partido do primeiro-ministro ucraniano, Arseny Yatseniuk, mantém a liderança na apuração das eleições parlamentares após a contabilização de 84,08% dos votos, informou nesta terça-feira a Comissão Eleitoral Central (CEC) da Ucrânia. Segundo os dados divulgados pela CEC, o Frente Popular tem 22,02% dos votos, seguido muito de perto pelo grupo político do presidente Petro Poroshenko, com 21,66%.

Em terceiro lugar está o partido pró-europeu de Andrei Sadovi, prefeito de Lviv, a principal cidade do oeste da Ucrânia, com 10,95%. O Bloco Opositor, criado por antigos membros do Partido das Regiões do ex-presidente Viktor Yanukovich, está na quarta posição com 9,47% dos votos. O quinto lugar está com o Partido Radical, do populista Oleg Liashko, favorável a ações mais duras contra os rebeldes pró-Rússia da região do Donbass, onde ficam as províncias de Donetsk e Lugansk, com 7,46%.

O Batkivshina, partido da ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko, vem logo em seguida com 5,74%. Os outros 23 partidos em disputa não conseguiram superar o limite de 5% para ter acesso a uma cadeira da metade do total de 450 que compõem a Rada Suprema, o Parlamento unicameral ucraniano. As outras 225 cadeiras são decididas nas circunscrições eleitorais majoritárias.

A participação final no pleito ficou em 52,42%, segundo a CEC, o que representa a mais baixa da história da Ucrânia. No total, houve votação em 198 circunscrições do país, já que nas 12 da Crimeia, a península anexada pela Rússia em março, não houve eleições. Também não puderam votar os eleitores de algumas circunscrições das regiões de Donetsk e Lugansk, nas localidades controladas pelos insurgentes pró-Rússia. Segundo os dados da CEC, o partido nacionalista Svoboda, o Partido Comunista e o ultranacionalista Pravy Sektor (Setor da Direita) ficariam de fora do Legislativo por não conseguirem uma votação superior a 5%.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade