Clique e assine com até 92% de desconto

Rússia não cogita uma nova trégua na Síria

Uma primeira trégua de três dias expirou no sábado, sem que tenha permitido evacuar os feridos dos bairros sitiados de Alepo

Por Da redação 24 out 2016, 08h05

A Rússia não cogita neste momento decretar uma nova trégua humanitária em Alepo, onde foram retomados os combates entre o regime sírio e os rebeldes, informou nesta segunda-feira o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Riabkov. “A questão de uma renovação da pausa humanitária não está em pauta”.

Uma primeira trégua de três dias expirou no sábado, sem que tenha permitido evacuar os feridos dos bairros sitiados de Alepo. Os combates foram retomados na cidade neste domingo. A Rússia implementou o cessar-fogo, chamado de “pausa humanitária”, junto com as forças armadas sírias leais ao ditador Bashar Assad para permitir a entrada de ajuda humanitária na cidade. Moscou pregou que o cessar-fogo seria uma abertura para que residentes e rebeldes deixassem as vizinhanças controladas pela oposição, mas nenhuma ajuda chegou e facções rebeldes rejeitaram os chamados para que eles saíssem, insistindo no combate.

Leia também
Cinco anos depois do fim de Kadafi, Líbia está à beira do colapso
Sete perguntas para entender a ofensiva em Mosul

O porta-voz do Escritório de Coordenação para Assuntos Humanitários da Organização das Nações Unidas (ONU), Jens Laerke, afirmou que a assistência humanitária não poderia ser promovida por falta de condições de segurança. O Ministério da Defesa da Rússia não respondeu a pedidos para que comentasse sobre o tema.

Em fotos e vídeos publicados online, residentes da parte leste de Alepo foram vistos usando a pausa para ir às ruas protestar contra o regime sírio e declarar que não deixariam suas casas. Quando um pequeno número de civis tentou cruzar para a parte da cidade controlada pelo regime de Assad na terça-feira, pessoas foram feridas por um atirador das forças do governo, segundo informaram residentes e equipes médicas.

(Com agências France-Presse e Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade