Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Rússia executou soldados que tentaram recuar da Ucrânia, dizem EUA

Estimativas apontam que forças russas já perderam 5 mil pessoas na cidade Avdiivka, sendo algumas delas por ordem dos seus próprios lideres

Por Da Redação
27 out 2023, 11h24

A Rússia estaria executando soldados que tentam recuar da ofensiva promovida por Moscou ao leste da Ucrânia, de acordo com um memorando dos Estados Unidos publicado nesta sexta-feira, 27. Segundo Washington, alguns dos militares morreram perto da cidade de Avdiivka “por ordem dos seus próprios líderes”.

A batalha entre as tropas ucranianas e russas pela cidade da linha de frente começou há algumas semanas e autoridades ocidentais acreditam que a Rússia tenha sofrido perdas “significativas” neste período. As estimativas de Kiev dizem que o número de vítimas russas em Avdiivka se aproxima de 5 mil pessoas, enquanto os EUA afirmam que a Moscou perdeu “pelo menos” 125 veículos blindados.

Um porta-voz do Exército ucraniano disse que algumas tropas russas estavam se recusando a atacar posições ucranianas perto de Avdiivka devido às perdas que Moscou vem sofrendo e afirmou que houve motins em algumas unidades. Os EUA acreditam que os militares russos “parecem estar usando o que chamaríamos de táticas de ‘onda humana’, apenas jogando massas desses soldados mal treinados direto para a luta”.

+ “Lula fala mais do que age”, diz novo embaixador da Ucrânia

“As forças mobilizadas da Rússia continuam mal treinadas, mal equipadas e despreparadas para o combate, como foi o caso durante a fracassada ofensiva de inverno do ano passado”, disse John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA. “Sem equipamento adequado, sem liderança, sem recursos, sem apoio. Não é surpreendente que as forças russas estejam a sofrer de moral baixa”.

Avdiivka fica perto da cidade de Donetsk, ocupada pela Rússia, e o seu domínio permitiria que as tropas russas empurrassem a linha de frente mais para dentro da Ucrânia, tornando a contraofensiva contra Donetsk mais complicada. A cidade foi praticamente abandonada pelos seus 30 mil residentes enquanto o conflito continua. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, descreveu a situação como “particularmente difícil”.

Na última quinta-feira, 26, os EUA anunciaram um novo pacote de assistência militar de 150 milhões de dólares (R$ 743 milhões) para a Ucrânia, que inclui artilharia e munições para armas ligeiras, bem como armas antitanque. No entanto, a ajuda foi colocada em dúvida depois da eleição do republicano Mike Johnson como presidente da Câmara dos Representantes dos EUA no início desta semana. Johnson, que pertence à ala conservadora do Partido Republicano, é contra a continuação da ajuda à Ucrânia e já apoiou anteriormente alterações para bloquear esse tipo de medida.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.