Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Rússia e Ucrânia demonstram otimismo com progresso nas negociações

Os dois países deram sinais de que um possível acordo de paz pode estar próximo de ser realizado nos próximos dias

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 14 mar 2022, 06h03 - Publicado em 13 mar 2022, 15h44

Após três rodadas de negociações nas últimas semanas, Rússia e Ucrânia deram sinais positivos no domingo, 13, de que um possível acordo de paz pode estar próximo. O Kremlin anunciou que uma videoconferência entre os líderes dos países está programada para a próxima segunda-feira, 14, quando a guerra chega ao 19º dia.

A quarta rodada de negociações ocorre em meio à escalada nas tensões entre os países. Neste domingo, ataques aéreos lançados por forças russas contra um centro de treinamento militar nos arredores da cidade de Lviv, a menos de 25 quilômetros da fronteira com a Polônia — país membro da Otan, a aliança militar ocidental — mataram ao menos 35 pessoas, informou a Ucrânia. 

Segundo reportagem da agência Reuters, a Ucrânia estaria disposta a negociar, porém, não se render ou aceitar ultimatos. Do lado russo, o país estaria disposto a interromper as agressões caso Kiev cumpra uma lista de condições, entre elas está reconhecer a Crimeia como território russo e reconhecer as repúblicas separatistas de Donetsk e Lugansk como países independentes.

Mikhailo Podoliako, conselherio do presidente Volodymyr Zelensky, afirmou neste domingo que a Ucrânia não pretende recuar. “Não vamos ceder em princípio em nenhuma posição, a Rússia agora entende isso. Mas a Rússia já está começando a falar de forma construtiva”,  disse, em vídeo publicado em redes sociais. “Nossas demandas são o fim da guerra e a retirada das tropas”, completou.

Continua após a publicidade

Também neste domingo, o presidente ucraniano afirmou em pronunciamento distribuídos pelas agências de notícias ucranianas que aproximadamente 125 000 pessoas já foram evacuadas de áreas atingidas por ataques russos por meio de corredores humanitários criados no país.

Em entrevista ao canal Fox News, a secretária adjunta de Estado dos Estados Unidos, Wendy Sherman, disse, que, “mesmo com a intenção de destruir seu vizinho”, a Rússia está mostrando sinais de que está disposta a manter negociações substanciais sobre a Ucrânia. No entanto, a secretária não indicou quais foram os sinais dados pela Rússia.

Segundo Wendy Sherman, os Estados Unidos estão exercendo “enorme pressão” para que Vladimir Putin concorde com o cessar-fogo e permita a criação de corredores humanitários para a saída de civis da Ucrânia.

No fim da noite, Zelensky fez novo pronunciamento, com um apelo à Otan. “E agora repito novamente: se vocês não fecharem nossos céus, é apenas uma questão de tempo até que mísseis russos caiam em seu território, no território da Otan, nas casas dos cidadãos da Otan.”

(com Agência Brasil)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)