Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Rússia e EUA: tratado de desarmamento nuclear já vigora

Documento Start foi ratificado por Hillary Clinton e ministro russo neste sábado

Por Da Redação 5 fev 2011, 12h35

Entra em vigor neste sábado o novo tratado de desarmamento nuclear Start, ratificado pelos chefes da diplomacia dos Estados Unidos e da Rússia, em Munique, na Alemanha. O documento reduz em 30% o número de ogivas nucleares, até 1.550 por país, e limita a 800 os vetores estratégicos, como mísseis intercontinentais, submarinos e bombardeiros.

A ratificação do tratado ficou a cargo da secretária de Estado americana, Hillary Clinton, e do ministro de Assuntos Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov. O encontro ocorreu durante a 47ª Conferência de Segurança.

O tratado foi assinado em Praga em abril do ano passado pelos presidentes russo, Dmitri Medvedev, e americano, Barack Obama, a fim de manter a paridade estratégica entre as duas superpotências. O tratado, que substitui o Start assinado em julho de 1991, quando a União Soviética ainda estava de pé, tem uma vigência de 10 anos, mas pode ser prolongado de mútuo acordo por um máximo de cinco anos.

Para os analistas nucleares, o acordo de redução nuclear deixará os Estados Unidos com total de 5.200 ogivas nucleares, frente às 4.850 da Rússia. O acordo representa corte de um terço menos de ogivas nucleares em comparação com o pactuado por Moscou e Washington em 2002 – cancelado pouco depois pelas duas partes.

Lavrov e Hillary destacaram o bom momento de “colaboração” entre ambos os países, grandes inimigos durante a Guerra Fria. Em seu discurso diante dos 350 convidados à Conferência de Segurança de Munique, Hillary mostrou a disposição dos Estados Unidos a “seguir trabalhando com a Rússia, já que significará reforçar nossa segurança comum”.

Lavrov agradeceu aos Estados Unidos que abrissem acesso às negociações para criar escudo de mísseis na Europa, um objetivo que para o ministro representaria “a maior fase na cooperação entre ambos os países”.

(Com agências France-Presse e EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade