Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Rússia chama de ‘banditismo’ envio de tropas dos EUA à Síria

Defesa dos EUA alega que o movimento pretende impedir que os campos de petróleo caiam nas mãos de militantes do Estado Islâmico

Por Estadão Conteúdo - 26 out 2019, 18h51

A Rússia criticou duramente neste sábado, 26, a decisão dos Estados Unidos de enviar veículos armados e tropas de combate para o leste da Síria para proteger campos de petróleo, e ainda chamou o movimento de “banditismo”.

“O que Washington está fazendo agora, a apreensão e controle de campos de petróleo no leste da Síria sob controle armado, é, simplesmente, banditismo internacional”, declarou o porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov.

“Todos os depósitos de hidrocarbonetos e outros minerais localizados em território da Síria não pertencem aos terroristas do Estado Islâmico e nem mesmo aos ‘defensores americanos dos terroristas do EI’, mas exclusivamente à República Árabe da Síria”, acrescentou o porta-voz.

“A causa real dessa ação ilegal dos EUA na Síria está bem distante dos ideais que Washington tem proclamado e dos slogans de combate ao terrorismo”, disse Konashenkov.

Publicidade

Mais cedo, o secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, alegou que o movimento pretende impedir que os campos de petróleo caiam nas mãos de militantes do Estado Islâmico. A decisão foi o mais recente sinal de que a retirada recente das forças militares norte-americanas da Síria é mais incerta e complicada do que o presidente Donald Trump fez parecer.

Neste sábado ocorreram diversas movimentações militares na Síria, considerando que outras partes interessadas dessa disputa haviam se ajustado à decisão dos EUA de retirar suas tropas do nordeste do país. Um comboio de veículos dos EUA foi avistado na região da cidade síria de Qamishli, possivelmente seguindo na direção da área de Deir el-Zour, onde há campos de petróleo, ou para outra base próxima. O Observatório Sírio para Direitos Humanos, que monitora o conflito, também relatou ter visto o comboio, dizendo que o grupo veio do Iraque.

Outro comboio, este ainda maior e integrado por soldados do governo sírio, também foi avistado seguindo pela rodovia M4. Segundo a agência de notícias estatal síria SANA, as tropas entraram na região de Ras al-Ayn, passando por oito vilarejos ao longo da rodovia e seguiram até as proximidades da fronteira com a Turquia. O Observatório descreveu a mobilização das forças sírias como a “maior já vista na área em quase sete anos”.

As tropas do governo sírio não entravam no nordeste da Síria desde 2012, quando o governo se retirou para se concentrar no conflito em outros pontos do país. As forças curdas assumiram o controle da área e se aliaram aos EUA para combater os militantes do Estado Islâmico que invadiram a área.

Publicidade

Porém, após Trump ordenar a retirada de suas tropas das áreas controladas pelos curdos, permitindo com que os turcos lançassem uma ofensiva em 9 de outubro, as forças curdas no país se voltaram para a Rússia e Damasco pedindo por proteção. A mobilização do governo começou no meio de outubro.

Um outro acordo, esse firmado entre a Turquia e a Rússia, acelerou a mobilização de tropas do governo sírio com a criação de uma patrulha conjunta de russos e sírios como parte de um novo acordo de fronteira. Mas a Rússia criticou a decisão de Washington de manter suas tropas na Síria.

Publicidade